FILMES BIOGRAFICOS

Ashton Kutcher como Stev Jobs

Ashton Kutcher como Stev Jobs

A chegada de “Jobs” nesta sexta-feira é aguardada por todos os admiradores e até mesmo pelos detratores do homem que criou a Apple, muito bem caracterizado por Ashton Kutcher ( o substituto de Charlie Sheen em “Two & a Half Men”. O público recebe o filme com a mesma ansiedade que acompanha toda vez que uma cinebiografia de alguma personalidade chega às telas. As pessoas sempre estão curiosas pela vida dos famosos e um filme é uma maneira de chegar perto daquela figura, desnudá-la, descobrir o que exatamente a fez ser tão importante ao ponto de deixar uma marca indelével na história. Assim são os filmes biográficos ou simplesmente os “Biopics”.
Recentemente, Steven Spielberg levou para o cinema a trajetória de Abraham Linconl, talvez o presidente norte-americano mais idolatrado da história e que já foi cinebiografado outras vezes, entre elas em 1930 vivido por Walter Houston e 1939 por Henry Fonda em “A Moçidade de Linconl“. Sem dúvida a caracterização de Daniel Day Lewis no filme de Spielberg é a mais impressionante dada o detalhismo com que o ator britânico o personificou, indo além da aparência física. Esta é uma das características mais atrativas no gênero: Ver um ator abordar alguém real dando a impressão de que este praticamente ressucitou. Foi o caso de Forrest Whitaker em “O Ultimo Rei da Escócia” (The Last King of Scotland) em 2006 no papel do ditador de Uganda Idi Amin. Não à toa ambas as atuações foram premiadas com o Oscar, pela Academia que parece sempre gostar deste sub-gênero. Igualmente impressionantes foram as atuações de Ben Kingsley em “Gandhi” (1982) e Robert Downey Jr em “Chaplin” ambas dirigidas por Sir Richard Altenborough. Não poderia deixar de se mencionar aqui como atuação feminina de grande impacto Meryl Streap em “A Dama de Ferro”, que merecidamente premiou sua estrela, de irretocável credibilidade.

Meryl Streap e o objeto de sua personificação

Meryl Streap e o objeto de sua personificação

Outro motivo que faz as cinebiografias serem tão atraentes é a própria natureza de seu roteiro que geralmente enfoca a trajetória de um indivíduo que passa por provações e dificuldades, conseguindo se redimir e sai vencedor de sua causa como o Chris Gardner de Will Smith no emotivo “À Procura da Felicidade” (The Pursuit of Happyness) de 2006 ou os nacionais “Dois Filhos de Francisco” de 2005 ou “Lula – o Filho do Brasil” de 2010. O Brasil também teve excelentes filmes do gênero como “Zuzu Angel” de 2006 com Patricia Pillar no papel da estilista que enfrentou a ditadura militar nos anos 60 e 70 e o recente “Somos tão Jovens” em que o ator Thiago Mendonça retrata com incrível semelhança a vida de Renato Russo, o líder da Legião Urbana.

O ator Thiago Mendonça e Giuliano Manfredini, filho de Renato Russo.

O ator Thiago Mendonça e Giuliano Manfredini, filho de Renato Russo.

O alcançe do filme biográfico é quase que ilimitado já que pode ser mezclar com outro gêneros como o épico (Lawrence da Arábia), o musical (De Lovely – A vida e os amores de Cole Porter) , filme de guerra (Patton – Rebelde ou Herói) ou o drama convencional (Heleno), este com Rodrigo Santoro em admirável exercício de personificação). Suas pretensões vão muito além do mero documentário, pois prevê muitas vezes que determinadas passagens da vida do biografado sejam ocultas ou suavizadas dependendo do grau de impacto que se pode ou não se deseja mostrar. Por isso, o filme biográfico faz uma dramatização que pode em muitos casos ser tendenciosa ou não tão fiel aos fatos mostrados e quanto maior a fama do biografado, maiores são os obstáculos sofridos. às vezes, o diretor prefere fazer um retrato de um determinado período na vida do biografado em vez de cobrir toda sua vida como é o caso de “Sete Dias com Marilyn” (My week with Marilyn) de 2011 como Michelle Williams em elogiosa representação do maior sex simbol de Hollywood que como já anuncia o título cobre apenas uma semana de sua vida . Antes de encerrar, no entanto,  vale a pena mencionar aqui alguns títulos de destaque :
1) Chico Xavier de 2010 – Produção nacional com Nelson Xavier fazendo um impressionante retrato vivo da figura mais querida da filosofia espírita.
2) O Aviador (The Aviator ) de 2004 – Dirigido por Martin Scorcese sobre a polêmica figura do milionário Howard Hughes que em meio ao glamour e as conquistas amorosas combatia dentro de si um mal crescente: o Transtorno obsessivo compulsivo do qual pouco se sabia na época e que ganhou profundidade e realismo na atuação de Leonardo DiCaprio.
3) Sede de Viver (Lust for Life) de 1956 – Fantástica caracterização de Kirk Douglas como o pintor Vincent Van Gogh e sua trágica e sofrida vida.
4) Olga de 2004 – Excelente produção sobre a vida da mulher de Luis Carlos Prestes cuja atuação política deixou suas marcas em muitos.

5) Ray de 2004 – Premiada atuação de Jamie Foxx como o cantor Ray Charles que passou por diversas provações em sua carreira e vida pessoal.

Camila Morgado como Olga

Camila Morgado como Olga

Como o filão está longe de se esgotar desde 1936 quando Paul Muni personificou o químico Louis Pasteur e o escritor francês Emile Zola respectivamente em 1935 e 1937, já se anuncia para  breve a estreia em nossas telas de” Lovelace”, sobre a atriz que protagonizou um dos maiores clássicos do filme erótico (Garganta Profunda) com Amanda Seyfried e “Diana” em que a princesa inglesa é vivida por Naomi Watts. Além desses, 2014 se prepara para receber a cinebiografia de James Brown e Elvis Presley (ambos produzidos por Mick Jagger) e já se fala há bastante tempo em um filme sobre a vida de Freddie Mercury, o vocalista do Queen. O show como podemos constatar não pode parar.

 

por Adilson Cinema

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s