FUTURO REESCRITO : O EXTERMINADOR DO FUTURO (1984)

terminator 1984

A algumas semanas faltando para a estreia do quinto filme da franquia “O Exterminador do Futuro” (Terminator : Genesys) , vamos relembrar aqui no blog os quatro filmes anteriores que fizeram desta uma das mais amadas e bem sucedidas franquias do cinema Hollywoodiano. Quando o filme original estreou nos Estados Unidos em 26 de Outubro de 1984, a mesma premissa : Mudar o futuro viajando para o passado já tinha sido usada na HQ ” Dias de um Futuro Esquecido” (Days of Future Past) dos X Men, que recentemente foi adaptada para o cinema. Contudo, o roteiro de James Cameron, sua então esposa Gale Anne Hurd bebia na fonte de outros questionamentos: O homem x a máquina, a tecnologia suplantando a importância do homem, elementos que já haviam sido empregados pelo escritor Harlan Ellsion, autor do conto “Soldier”, que fez parte da série de antologias “The Outer Limits” (Quinta Dimensão no Brasil) exibida originalmente na década de 60. Contudo, Cameron deixou as questões filosóficas em segundo plano para privilegia a ação com ritmo de história em quadrinho e o que é mais importante para os produtores, com um custo baixo de produção.

Linda Hamilton (Sarah Connor) e Michael Biehn (Kyle Reese) nos bastidores do filme original.

Linda Hamilton (Sarah Connor) e Michael Biehn (Kyle Reese) nos bastidores do filme original.

Na época, James Cameron (muito antes de triunfar em Hollywood) trazia um orçamento modesto de $6.500.000 para contar a história de um ciborgue futurista, enviado ao passado para matar a jovem Sarah Connor (Linda Hamilton) que dará a luz a John Connor, destinado a se tornar o líder da raça humana na luta contra as máquinas que dominarão o mundo. Arnold Schwarzennegger, na época recém saído do sucesso de “Conan” pediu a Cameron  o papel de Kyle Reese, o protetor de Sarah Connor, também vindo do futuro. Contudo, Cameron sugeriu a Schwarzenegger que ficasse com o papel do robô assassino, que até hoje é seu papel mais icônico. Segundo reza a lenda, Cameron teria dito “Esse filme não é sobre o herói, é sobre o vilão !”. Linda Hamilton vinha de pequenos papeis na Tv e no cinema quando foi escohida para viver Sarah Connor, papel que chegou a ter os nomes de Debra Winger, Carrie Fisher, Michelle Pfeiffer, Kelly McGillis e Sharon Stone. Já Kyle Reese ficou com o então também desconhecido Michael Biehn, preenchendo a vaga que quase foi de Bruce Willis e do cantor Sting, inicialmente sondados.

O diretor James Cameron dando instruções no set de fiilmagem

O diretor James Cameron dando instruções no set de fiilmagem

O filme que chegou ao Brasil em Março do ano seguinte com a popularidade de Schwazenegger crescendo graças ao sucesso de Conan. O ex campeão de fisioculturismo treinou  com armas, praticando tiro ao alvo com os olhos vendados para ter os reflexos rápidos e precisos como uma máquina, mas ainda teve que esperar por alguns meses para começar a filmar pois estava comprometido com “Conan o Destruidor” (1984) que filmava com Richard Fleischer. Enquanto esperava por seu astro, Cameron trabalhou em um roteiro para um filme de ação que se tornaria anos depois “Aliens o Resgate” (1986). Curiosamente, um dos nomes sondados para o papel do exterminador foi O.J.Simpson, ex atleta e ator que faria os três filmes “Corra que a Polícia vem ai” e que anos depois acabaria com a carreira ao matar sua esposa. Irônico, pois Simpsom foi desconsiderado para o papel porque os produtores o achavam incapaz de encarnar um assassino de sangue frio. Outros nomes pensados para o papel do robô assassino foram Mel Gibson, Michael Douglas, Kevin Kline e Tom Selleck. Ficou para o ator austríaco o papel que apesar de praticamente não ter falas no filme (seu forte sotaque incomodava aos produtores) ter a honra de entrar para o AFI 100 Heroes & Villains figurando tanto como vilão como herói, já que na continuação do filme Schwarzenegger volta como o robô do bem. Anos depois de “O Exterminador do Futuro”, James Cameron já divorciado de Gale Anne Hurd (sua segunda esposa) casou-se com Linda Hamilton com quem teve uma filha. O sucesso do filme impulsionou a carreira do diretor, de origem canadense, o que poderia não ter acontecido já que os produtores tentaram interferir nas filmagens. Estes queriam forçar Cameron a encerrar o filme com a cena da explosão do tanque, mas Cameron brigou e conseguiu impôs a impressionante sequência seguinte em que Arnold perde sua aparência humana e persegue Sarah em sua forma robótica, assumindo seu visual de máquina fria e irrefreável. Cameron também teve problemas com o autor Harllan Ellison que o processou por plágio do roteiro de “Soldier”, episódio da serie de TV “The Outer Limits”. O assunto foi resolvido com um acordo fora dos tribunais que Cameron se resentiu por ter sido forçado a aceitar, no qual reconhecia Harlan Ellison como origem da ideia por trás do filme. 

Linda Hamilton em foto recente

Linda Hamilton em foto recente

O lucro de $38.400.000 no território americano deu o aval para a continuação “O Exterminador do Futuro 2 : O Julgamento Final”, que reaproveita as ideias que Cameron não pôde utilizar no primeiro filme por falta de tecnologia para reproduzir os efeitos especiais. O filme foi um sucesso ainda maior e popularizou de vez a história que ainda renderia a seguir mais 2 filmes e uma série de TV entitulada “Terminator: The Sarah Connor Chronicles” que teve vida curta na telinha. Aguarda-se para ano que vem o reboot da franquia com o anunciado “Terminator:Genysis”, também com Arnold Schwarzegger. Alguém ainda duvida da frase proferida pela máquina, ideia que partiu de seu interprete, ao final do filme : “I’L BE BACK!”.

SEMANA QUE VEM NO BLOG: O EXTERMINADOR DO FUTURO 2 : O JULGAMENTO FINAL