OSCAR 2019 : OS VENCEDORES

QueenLambertOscar-600x360

Abertura da cerimônia em grande estilo com a banda Queen

  • MELHOR FILME : GREEN BOOK – O GUIA
  • MELHOR DIRETOR : ALFONSO CUARÓN (ROMA)
  • MELHOR ATOR: RAMI MALEK (BOHEMIAN RAPHSODY)
  • MELHOR ATRIZ: OLIVIA COLMAN (A FAVORITA)
  • MELHOR ATOR COADJUVANTE: MAHARSHALA ALI (GREEN BOOK)
  • MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: REGINA KING (SE A RUA BEALE FALASSE)
  • MELHOR ROTEIRO ORIGINAL: GREEN BOOK – O GUIA
  • MELHOR ROTEIRO ADAPTADO: SPIKE LEE (INFILTRADO NO KLAN)
  • MELHOR FIGURINO: PANTERA NEGRA

    pantera

    Wakanda Forever: Os Super Herois no Oscar

  • MELHOR FOTOGRAFIA: ROMA
  • MELHOR FILME ESTRANGEIRO: ROMA
  • MELHOR MIXAGEM DE SOM: BOHEMIAN RAPHSODY
  • MELHOR MONTAGEM:  BOHEMIAN RAPHSODY
  • MELHOR MAQUIAGEM / PENTEADO: VICE
  • MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL: PANTERA NEGRA
  • MELHOR CANÇÃO ORIGINAL: LADY GAGA, SHALLOW (NASCE UMA ESTRELA)
  • MELHOR DIREÇÃO DE ARTE: PANTERA NEGRA
  • MELHOR EDIÇÃO DE SOM: BOHEMIAN RAPHSODY
  • MELHOR MIXAGEM DE SOM: BOHEMIAN RAPHSODY
  • MELHOR EFEITOS VISUAIS: O PRIMEIRO HOMEM
  • MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO: HOMEM ARANHA NO ARANHAVERS

    OSCAR 2019 2

    Indicados e Premiado em um Oscar bem Pop !!

  • MELHOR CURTA ANIMAÇÃO: BAO
  • MELHOR DOCUMENTÁRIO – LONGA: FREE SOLO
  • MELHOR DOCUMENTÁRIO – CURTA: ABSORVENDO O TABU
  • MELHOR CURTA METRAGEM – LIVE ACTION : SKIN

GOLDEN GLOBE 2019 – OS VENCEDORES

golden globe1

A ACIDEZ DE RICK GERVAIS FEZ FALTA, MAS SANDRA OH E ANDY SAMBERG NÃO FORAM DOS PIORES MESTRES DE CERIMÔNIA. CLARO QUE PIADINHAS BOBAS OCORRERAM MAS NÃO FORAM EXCLUSIDADE DELES. AMY POHLAN E MAYA RUDOLPH ESTAVAM SEM GRAÇA TAMBÉM, TÍPICO DAS CERIMÔNIAS DE PREMIAÇÃO. AO CONTRARIO, O DISCURSO DE STEVE CARRELL FOI CORRETO NA MEDIDA CERTA QUANDO NA HOMENAGEM A CAROL BURNETT E O MESMO PODE SER DITO COM O PRÊMIO A JEFF BRIDGES POR UM CONJUNTO DE OBRA RESPEITÁVEL E ADMIRÁVEL.

PRÊMIOS CINEMA

Filme – Drama: Bohemian Rhapsody
Atriz – Drama: Glenn Close, A Esposa
Ator – Drama: Rami Malek, Bohemian Rhapsody
Filme – Musical ou Comédia: Green Book: O Guia
Atriz – Musical ou Comédia: Olivia Colman, A Favorita
Ator – Musical ou Comédia: Christian Bale, Vice

golden globe ramimalek

CONFESSO QUE ESTOU SEMPRE TORCENDO POR AMY ADDAMS E QUE LADY GAGA ERA OUTRA INDICADA DE MÉRITO INEGÁVEL, BEM COMO DE BRADLEY COOPER, ATOR E DIRETOR DE “NASCE UMA ESTRELA”. ESTE FICOU O PRÊMIO DE MELHOR CANÇÃO AO MENOS. ENTRE AGRACIADOS E INJUSTIÇADOS PERCEBE-SE AO MENOS QUE “GREEN BOOK – O GUIA” JUSTIFICA-SE POR SUA HISTÓRIA DE HUMOR E DRAMA TRATANDO DE RACISMO E AMIZADE, QUE DEU O PRÊMIO DE MELHOR ATOR COADJUVANTE PARA MAHARSHALA ALI. RAMI MALEK MERECEU SEU PRÊMIO DE MELHOR ATOR POR ENCARNAR COM PERFEIÇÃO O ÍDOLO FREDDIE MERCURY NO CONSAGRADO “BOHEMIAN RAPHSODY”. GLENN CLOSE FATUROU SEU GOLDEN GLOBE POR “A ESPOSA” E AQUEÇE AS POSSIBILIDADES DE FINALMENTE VIR A GANHAR TAMBÉM O OSCAR.

Atriz Coadjuvante: Regina King, Se a Rua Beale Falasse
Ator Coadjuvante: Mahershala Ali, Green Book: O Guia
Diretor: Alfonso Cuarón, Roma
Filme – Animação: Homem-Aranha no Aranhaverso
Filme Estrangeiro: Roma (México)
Roteiro: Green Book: O Guia

golden globe glenn close
Trilha Sonora: O Primeiro Homem
Canção: Shallow, de Nasce uma Estrela.

PRÊMIOS TELEVISÃO

Série – Drama: The Americans
Atriz em Série – Drama: Sandra Oh, Killing Eve

golden globe michael douglas

QUEM DIRIA QUE UMA ANIMAÇÃO DISNEY COMO “OS INCRÍVEIS 2” PERDERIA O PRÊMIO DE MELHOR ANIMAÇÃO PARA “HOMEM ARANHA NO ARANHAVERSO”? JÁ MICHAEL DOUGLAS FEZ BELO DISCURSO DE AGRADECIMENTO COROANDO UMA CARREIRA  BRILHANTE.  DUAS PATRICIAS TAMBÉM ESTIVERAM ENTRE AS PREMIADAS: PATRICIA ARQUETTE E PATRICIA CLARKSON FIZERAM BONS DISCURSOS DE AGRADECIMENTO. POREM FOI SANDRA OH QUEM FEZ HISTÓRIA AO SE TORNAR A PRIMEIRA ATRIZ ASIÁTICA A GANHAR MAIS DE UM GOLDEN GLOBE (O PRIMEIRO FOI EM 2006). TAMBÉM FOI A SEGUNDA ATRIZ ASIÁTICA A VENCER EM UMA DAS PRINCIPAIS CATEGORIAS (A PRIMEIRA FOI EM 1981 YOKO SHIMADA POR “SHOGUN”) E AINDA ECOA NOS OUVIDOS SUA EMOÇÃO SINCERA DIZENDO “PAPAI !!”, NUMA PAUSA AO SEU PAPEL DE ANFITRIÂ DA CERIMÔNIA.

Ator em Série – Drama: Richard Madden, Bodyguard
Série – Musical ou Comédia: The Kominsky Method
Atriz em Série – Musical ou Comédia: Rachel Brosnahan, The Marvelous Mrs. Maisel
Ator em Série – Musical ou Comédia: Michael Douglas, The Kominsky Method
Minissérie ou Telefilme: The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story

GOLDENGLOBE SANDRA OH.jpg
Atriz em Minissérie ou Telefilme: Patricia Arquette, Escape at Dannemora
Ator em Minissérie ou Telefilme: Darren Criss, The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story
Atriz Coadjuvante em Série, Minissérie ou Telefilme: Patricia Clarkson, Sharp Objects 
Ator Coadjuvante em Série, Minissérie ou Telefilme: Ben Whishaw, A Very English Scandal

golden globe cooper gaga

 

NASCE UMA ESTRELA – ALÉM DE LADY GAGA

                A história de uma jovem aspirante a atriz envolvida com um astro em decadência em uma gangorra sentimental em que ambições profissionais e realizações pessoais divergem. De Constance Bennet a Lady Gaga, essa história tem sido vista e revista há gerações sempre nos levando a questionar o preço da fama e do sucesso artístico.

GAGA.jpg

LADY GAGA & BRADLEY COOPER

               A verdade é que desde seus primórdios o cinema já trazia diversas histórias de sucesso e tragédia como em “Hollywood” (What Price Hollywood?) de 1932, dirigido por George Cukor. A história de Adele Rogers St.John, roteirizada por Gene Fowler e Rowland Brown, girava em torno da garçonete Mary Evans (Constance Bennet), que sonha com uma carreira de atriz. Uma noite ela encontra o diretor Maxmillian Carey (Lowell Sherman) que lhe abre a primeira porta para o sucesso. Apesar da forte e leal amizade formada entre Max e Mary, ambos seguem caminhos opostos com Max afundando na bebedeira, enquanto Mary se casa com o advogado Lonny Borden (Neil Hamilton) e se torna uma atriz famosa. Mary chega a ganhar um Oscar de melhor atriz, mas vê seu casamento desabar. O estrelato tão desejado não cala a dor de Mary quando Max se suicida. A autora baseou-se na história real do casal Colleen Moore e John McCormick, além do ator e diretor Tom Forman, que se suicidou após um surto nervoso da mesma forma que o personagem Max Carey, com um tiro no peito. Quatro anos depois o mesmo David O’Selznick (produtor de o Vento Levou”, “King Kong”), que trabalhou para a RKO como produtor executivo de “Hollywood”, decidiu filmar a história extremamente similar de William Wellman e Robert Carson para “Nasce uma Estrela” (A Star is Born) desta vez para sua própria produtora, a “Selznick International Pictures”, irritando a RKO, responsável pelo filme de 1932, que esteve prestes a processar Selznick, mas acabou não fazendo. Quando George Cukor foi chamado para assumir a direção, recusou por ser muito similar ao seu trabalho em “Hollywood”. Wellman asssumiu como diretor e as filmagens começaram em 20 de abril de 1937 com Janet Gayner no papel da aspirante a atriz Esther Blodgett, que se torna a estrela Vicky Lester, papel que Gaynor também viveu em uma adaptação radiofônica. Esta vive um romance com o decadente ator Norman Maine (Fredric March), que se entrega ao alcoolismo a medida que  Vicky chega ao topo da glória artística. Reza a lenda que o casamento tumultuado de Barbara Stanwyck e Frank Fay teria sido a inspiração para o casal Vicky/Norman, mas Wellman baseou-se em suas próprias experiências, e também na carreira de John Bowers, ator do período silencioso que se suiciou depois de ter a carreira arruinada pela chegada do som. Historiadores relacionam o personagem de Norman Maine aos atores John Barrymoore (Avô de Drew Barrymoore) e John Gilbert. Tanto “Hollywood” quanto “Nasce uma Estrela” compartilham o mesmo foco nos sonhos e, sobretudo, nas desilusões dos que nascem e morrem sob as luzes dos holofotes.  Outra história que virou lenda em torno do filme de 1937 é que este traria Lana Turner (estrela na década seguinte) como um dos figurantes, o que a própria viria a negar. Na décima cerimônia de entrega dos Oscars, o filme de Wellman foi premiado pela melhor história original, além de um prêmio especial para W. Howard Greene pela fotografia em cores, um triunfo técnico deste que foi o primeiro filme colorido indicado pela Academia.

A STAR IS BORN 1937

JANET GAYNOR & FREDRICH MARCH 1937

                 Nos anos que se seguiram, a “Selznick International Pictures” se dissolveu e os direitos do filme foram vendidos indo parar nas mãos de Sid Luft, então marido de Judy Garland. Luft conseguiu convencer George Cukor a assumir a cadeira de diretor e fazer dessa adaptação um filme musical com roteiro assinado por Moss Hart. Este triunfou ao usar a música como fio condutor da história de Norman (James Mason) e Vicky (Judy Garland). Uso criativo do Cinemascope, o filme foi preparado para ser o retorno ao estrelato de Judy, que estava há alguns anos afastada das telas depois do fim de seu longo contrato com a MGM. George Cukor, que dirigira “Hollywood” aceitou o cargo, que havia recusado em 1937, conduzindo com seu habitual toque tendo uma filmagem atribulada pelos problemas com sua estrela. Judy, então aos 32 anos, encarnava na vida real os conflitos de sua persona abalada pelos vícios e excessos, mas imprimiu na tela uma atuação pungente, intensa, entoando com sua belíssima voz canções como “The Man That Got Away” e “ Gotta Have me Go With You”. Produzido por cinco milhões de dólares, com esplêndida fotografia de Sam Leavitt, o filme quase teve Cary Grant no papel de Norman Maine, mas este teve receio de contracenar com as inconstâncias de Judy Garland. Apesar do sucesso, Cukor nunca chegou a ver seu filme pronto. Assim que encerrou as longas filmagens, o diretor viajou para a Europa em busca de locações para seu próximo projeto. Nesse meio tempo a Warner cortou 27 minutos de sua metragem original de 181 minutos além de adicionar a canção “Born in a Trunk”. Somente em julho de 1983, a Academia de Artes e Ciências de Hollywood relançou o filme restaurando 19 minutos das cenas não utilizadas, mas Cukor falecera pouco antes. O sucesso de público e crítica levou Judy a ser indicada ao Oscar de melhor atriz mas perdeu para Grace Kelly no que é considerado uma das maiores injustiças da história. Quando a vitória de Grace era anunciada, os repórteres estavam no quarto de hospital em que Judy estava internada, todo o mundo incluindo a própria acreditando no favoritismo, mas enfrentando uma decepção que abriu mais uma chaga no coração da estrela, um sentimento de rejeição que ela nunca conseguiu superar.

STAR IS BORNE 1954.jpg

JAMES MASON & A MARAVILHOSA JUDY GARLAND 1954

                   22 anos depois o diretor Frank Pierson recriou “Nasce uma Estrela” trocando o cinema pelo mundo da música. Assim, Norman Maine tornou-se John Norman Howard (Kris Kristorfeson), um astro do rock que se envolve com a desconhecida Esther (Barbra Streisand). A medida que o abuso de álcool e drogas destrói lentamente John, Esther cresce e se torna uma cantora de sucesso. O filme foi um veículo para o talento de Streisand, cuja voz fez de “Evergreen” a melhor canção original pela Academia. A própria estrela teria dirigido algumas cenas devido a constantes desentendimentos com o diretor. Ela queria Elvis Presley para seu co-astro, tendo viajado para Las Vegas para pessoalmente convencê-lo. Com o insucesso das negociações nomes como Mick Jagger e Marlon Brando foram mencionados até a contratação de Kris Kristorfeson, que teve sua atuação apontada como inspirada em Jim Morrisson do “The Doors”, embora o ator tenha negado. Streisand era a estrela de uma outra época, também co-produtora, tomando as rédeas da adaptação como veículo para seu enorme talento, seja atuando ou cantando. Terceira maior bilheteria do ano de seu lançamento, o filme recebeu vários prêmios e indicações, a versão de 1976 ainda foi incluída pelo AFI (American Film Institute) na lista de 100 maiores canções do cinema. Em 2013 ainda houve a versão indiana “Aashiqui 2” feita em Bollywood, chegando a mais de 9 milhões de dólares nas bilheterias ao longo de 4 semanas de exibição.

STAR IS BORN 1976.jpg

KRIS KRISTOFFERSON & A DIVA BARBRA STREISAND 1976

                  A força dessa história é que ela não apenas fez brilhar Bennet, Gaynor, Garland, Streisand e agora Lady Gaga, mas também nos faz lembrar de toda uma constelação que inclui Monroe, Hayworth, Gardner, Hayward, Hepburn e tantas outras que marcaram seus nomes no firmamento Hollywoodiano, vidas que se acabaram, luzes que se apagaram como na letra de João de Barros para “Luzes da Ribalta”, apontando a certeza de que esse ideal renascerá em outros corações.

ESTREIAS MAIS RECENTES

PEGANDO FOGO

PEGANDO FOGO

(Burnt) EUA 2015. Dir: John Wells. Com Bradley Cooper, Sienna Miller, Emma Thomspson, Uma Thurman, Jamie Dorman, Daniel Bruhl. Comédia  Romântica.

Chefe de cozinha (Cooper), que busca recuperar o prestígio perdido, monta uma equipe com os melhores do ramo e se apaixona por uma das mestres em culinária. Voltado para os apreciadores de comédias românticas, o filme quase foi chamado “Chef”, mas este já havia sido empregado como nome de outro filme a tratar de tema semelhante em 2014, dirigido por Jon Favreau. O filme foi rebatizado de “Adam Jones” antes de ser novamente renomeado para o título atual “Burnt”, que traduzido seria algo como “Queimado” ou “Incendidado”. Bradley Cooper assumiu o papel principal que foi a principio oferecido a Keanu Reeves. Embora o filme tenha naufragado nas bilheterias americanas, é um

 OS SEIS RIDICULOS

RIDUCLO 6

(The Ridiculous Six) EUA 2015. Dir: Frank Coraci. Com Adam Sandler, Steve Buscemi, Terry Crews, Taylor Lautner, David Spade, John Turturro, Nick Swardson,  Steve Zahn, Rob Schneider, Luke Wilson, Danny Trejo. Comédia.

Já notaram que está cada vez mais dificil fazer um filme, principalmente uma comédia, com o peso de ter que ser “politicamente correto” ? Apesar dos excessos e grosserias de alguns casos, todos se ofendem muito facilmente por qualquer coisa. Que o diga Adam Sandler,que em sua primeira produção exclusiva para a rede Netflix (Sim, esse filme tem seu lançamento exclusivo para os assinantes do serviço) teve que se defender recentemente da acusação de ser preconceituoso com a população indígena batizando personagens como “Sem sutiã” ou “Bafo de Gambá”. Assim como o clássico “Banzé no Oeste” (Blazzing Saddlers) de Mel Brooks, Adam Sandler envereda pelo caminho do faroeste parodia mostrando seis meio irmãos adotados por uma tribo indígena e vivem se metendo em encrencas mesmo quando adultos. O filme parodia principalmente o clássico “Sete Homens & Um Destino” (The Magnificent Seven) e é o primeiro de um contrato de quatro filmes do humorista Adam Sandler para a rede Netflix. Aqui ele atua, produz e co-roteiriza a história novamente reunindo os amigos David Spade, Nick Swardson, Rob Schneider e Steve Buscemi que apareceram em outros filmes e vocês certamente reconhecerão seus rostos. Sandler sempre gosta de se cercar de amigos em seus filmes sendo essa a quinta colaboração entre ele e o diretor Frank Coraci com quem já fizera “O Rei da Agua” (1998), “Afinado no Amor” (1998) , “Click” (2006) e “Juntos & Misturados” (2014).

 OLHOS DA JUSTIÇA

OLHOS DA JUSTIÇA

(Secret Of Their Eyes) EUA 2015. Dir: Bill Hay. Com Julia Roberts, Chiwetel Eliofor, Nicole Kidman, Michael Kelly. Suspense.

Dois agents do F.B.I (Eliofor e Roberts) atendem o chamado de uma mulher morta que vem a ser a filha dela. O principal suspeito não é condenado por detalhes técnicos. Passados treze anos o caso ainda em aberto é retomado pelo agente Ray (Eliofor). Adaptado do livro de Eduardo Sacheri, o filme é uma refilmagem do vencedor do Oscar de melhor filme estrangeiro de 2009. O roteiro e a direção é de Billy Ray, o mesmo roteirista de “Capitão Philips” e do primeiro “Jogos Vorazes”. Este reescreveu o papel de protagonista para Julia Roberts, já que no filme original seu personagem é homem. Os papeis de Eliofor (Dez anos de Escravidão) e Nicole Kidman foram oferecidos, a principio, a  Denzel Washington e Gwyneth Paltrow.