BOND 12 : 007 SOMENTE PARA SEUS OLHOS

Depois de 4 filmes consecutivos de Roger Moore como James Bond, o público começava a se cansar do clima de deboche que diluía demais as tramas dos filmes. Na verdade, o próprio Roger Moore nitidamente se levava nada a sério na figura de um super-espião, transformando-o em um bon-vivant que, casualmente salvava o mundo. O ator repudiava qualquer cena que mostrasse Bond matando a sangue frio. No início da década de 80, Broccoli – agora com o comando absoluto dos filmes – decidiu fazer uma aventura mais séria, com o pé no chão, se aproveitando  de um dos contos do 8º livro escrito por Ian Fleming, lançado originalmente em 1960.Este foi o primeiro de duas coletâneas de contos de 007, dos quais os roteiristas Richard Maibum e Michael G.Wilson se aproveitaram dos contos “For Your Eyes Only” (o assassinato dos Havelock e a busca de vingança de sua filha Judy), e “Rísico” (o vilão Kristatos e o contrabandista Colombo).

jbbr_rm_fyeo_poster

No filme, o casal de arqueólogos gregos, os Havelock, auxiliam o governo britânico a localizar o ATAC, um moderno aparelho comunicador capaz de controlar mísseis nucelares. São assassinados e sua filha Melina (Judy no livro) se junta a Bond em sua busca de vingança contra o vilão Kristatos, um agente duplo que planeja vender o ATAC a quem pagar mais. Desde a década anterior, Broccoli tentava entrar em acordo com Kevin McClory que tinha os direitos autorais de Brofeld e da Spectre, elementos dos livros de Bond que criara em conjunto com Ian Fleming. O letígio entre Fleming e McClory deu a este último a palavra final sobre a utilização desses elementos e ainda o direito de refilmar “007 Contra a Chantagem Atômica”, o que viria a acontecer nos anos seguintes. Não chegando a um acordo, Brocolli apenas deixa insinuar que o vilão morto por Bond no início do filme é Brofeld, através da aparência física, mas sem jamais usar o nome. Bond também visita o túmulo de Tereza, sua esposa morta em “007 A Serviço de Sua Majestade”. O vínculo criado entre os filmes já aponta que o roteiro leva Bond por uma narrativa mais séria, ao som da canção tema cantada pela cantora Sheena Easton.

mELIIINA NÃO ERA APENAS MAIS NOVA QUE BOND MAS ERA DURONA E VINGATIVA.

MELINA NÃO ERA APENAS MAIS NOVA QUE BOND MAS ERA DURONA E VINGATIVA.

No elenco, Roger Moore já demonstrava estar cansado do papel, mas renegociou seu contrato por uma valor nunca revelado. A atriz francesa Carole Bouquet, então com 24 anos, fez uma Bondgirl mais ativa na ação, independente do heroico super-espião. Curiosente, no filme Bond dispensa os avanços sensuais de Bibi (a atriz e patinadora profissional  Lynn Holly Johnson)  que era, na verdade, apenas um ano mais nova que Bouquet, ambas mais novas que o já cinquentão Roger Moore.  A personagem da Contessa Lisl era interpretada por Cassandra Harris, na época casada com o futuro James Bond Pierce Brosnan. Cassandra morreu pouco depois de câncer, o mesmo mal que consumira o ator Bernard Lee, o M que por isso não aparece no filme, sendo este o único filme de Bond sem o personagem. Broccoli o homenageou alegando que M estava de ausente devido a uma licença.

ROGER MOORE PASSPOU MAUS BOCADOS POR SEU MEDO DE ALTURA AO FAZER ESSA CENA AINDA QUE TENHA TIDO DUBLÊ.

ROGER MOORE PASSOU MAUS BOCADOS POR SEU MEDO DE ALTURA AO FAZER ESSA CENA AINDA QUE TENHA TIDO DUBLÊ.

O filme foi um estrondoso sucesso de bilheteria, rendendo mais que o dobro de seu orçamento estimado de $ 28 milhões, chegando a mais de $ 100 milhões internacionalmente, o que salvou o estúdio da United Artists que estava às portas da falência depois do fracasso de “O Portal do Paraíso” (Heaven’s Gate) de Michael Cimino). De qualquer forma, o filme funciona, tem um roteiro envolvente e ótima performance de Roger Moore, sendo superior ao filme anterior “007 Contra o Foguete da Morte” e ao filme seguinte “007 Contra Octopussy”. Quase que “007 Somente Para Seus Olhos” (For Your Eyes Only) foi dirigido por Steven Spielberg, que chegou a conversar com Broccoli. No entanto, este recusou as investidas de Spielberg alegando que queria manter um diretor britânico para a série. Foi com a recusa amarga que Spielberg juntou-se a George Lucas para criar Indiana Jones. Isso é claro é outra história.

BOND VOLTA AO BLOG EM SEGUIDA COM “007 CONTRA OCTOPUSSY”