NUNCA ESTIVEMOS SOZINHOS – CONTATOS ALIENIGENAS NO CINEMA & NA LITERATURA

Nossa vã filosofia sempre ponderou sobre a existência de vida em outros planetas, matematicamente aceito mas nunca cientificamente provado. O cinema e a literatura costumam se apropriar da ideia e explorá-la ao sabor da criatividade e da ilimitada imaginação.

childhoods-end-o-fim-da-infancia-capa

Em 1953 Arthur C.Clarke (autor de “2001 – Uma Odisséia no Espaço”) publicou “O Fim da Inocência” (Childhood Ends) sobre uma invasão de extraterrestres que cria na Terra um governo global, único e pacífico. Os seres jamais são vistos e proíbem as viagens espaciais além de banir as armas de fogo, relegando a humanidade a uma existência dedicada às artes e ciência. Um grupo de resistência se forma para buscar a verdade sobre os visitantes. Publicado em pelo período da guerra fria, o livro de Arthur C. Clarke questiona o preço da paz, na mesma medida que tanto investiga a natureza dos visitantes quanto discorre a respeito de nossa própria natureza ao sermos confrontados com o fim do livre-arbítrio. Em 2015, uma mini-série de Tv foi produzida adaptando a obra, que ainda não teve uma versão para o cinema à altura desta ou de seu autor. Dois anos antes da publicação do livro, Robert Wise filmou e lançou “O Dia em que a Terra Parou” (The Day The Earth Stood Still) mostrando a chegada do alienígena Klaatu, que vem  ao nosso planeta para trazer um importante alerta do qual depende o futuro da raça humana. Muito melhor que a refilmagem de 2008 com Keanu Reeves, o filme de 1951 causou grande assombro com sua mensagem anti-belicista em plena era do Macartismo. O escritor britânico H.G.Wells foi o primeiro, no entanto, a mostrar os efeitos de uma vista extraterrestre no clássico “A Guerra dos Mundos” (The War of The Worlds) publicado em 1898, e adaptado em 1953 e 2005. Mas, em vez de divagações filosóficas sobre a vida em outros planetas, o livro de Welles traça um paralelo crítico do imperialismo inglês. Outro contato devastador com alienígenas foi narrado pelo autor Jack Finney em “Invasores de Corpos” (The Body Snatchers) de 1955. Nele, os extraterrestres são incorpóreos e assumem a forma humana quando as pessoas adormecem. A história já foi filmada várias vezes, mas as melhores versões são as filmadas em 1956 e 1978.

Invasores-Don-Siegel-Vampiros-de-Almas-SITE.jpg

A ufologia, ciência não reconhecida devido ao seu caráter especulativo, já serviu de inspiração para o campo da ficção como na série “Arquivo X”, tratando de avistamentos, abduções, experiências secretas e outros fenômenos não explicados pela ciência. O renomado cientista norte americano Professor J. Allen Hynek (1910-1986) formulou uma gradação para medir os fenômenos ufológicos considerando primeiro grau para os avistamentos à distância, segundo grau para os efeitos físicos gerados pelo encontro e terceiro grau para a comunicação com os eventuais tripulantes de um disco voador. Deste último, Steven Spielberg aproveitou-se para o ótimo “Contatos Imediatos do 3º Grau” (Close Enconters of the Third Kind) de 1978, que teve o próprio Professor Hynek como um dos consultores. O realismo e a seriedade com que o tema é tratado impressiona, assim como foi o romance “Contato” (Contact) escrito por Carl Sagan em 1983 e filmado em 1997. Na obra de Sagan ceticismo e fé formam dois polos conflitantes em torno dos quais os personagens se veem divididos quando uma mensagem vinda do distante sistema Veja chega à Terra.

agroglifo

AGRÓGLIFO

Mensagens de seres de outros mundos são como são tomados as Linhas de Nasca na Cordilheira dos Andes e os agróglifos (círculos nas plantações) observados em várias partes do mundo, principalmente no Reino Unido, e que já ganharam versão romanceada no cinema em “Sinais” (2003) de M.Nigh Shymalan. Há registros de tais círculos desde o século 17, mas sua popularização se deu a partir da década de 70, embora nunca tenham sido provados como sendo de origem extraterrestre, os belos desenhos vistos do alto já foram associados a fenômenos naturais, ação do homem, ou alienígenas. Estes, entraram definitivamente para cultura pop e conforme “Homens de Preto” (Men in Black) de 1997, já estão entre nós há muito tempo. Os afeitos a tramas conspiratórias acreditam que o governo americano mantem seres de outro planeta em cativeiro e que manipulam em segredo tecnologia alienígena. Casos como Roswell, Tunguska e até mesmo em Varginha, Minas Gerais inflamam a mente embora o governo negue a todo momento, mas ainda assim fazem pesquisas na misteriosa Área 51 no deserto de Nevada, onde qualquer um que se aproxima é fuzilado em nome da segurança nacional. O roteirista e ator Simon Pegg curtiu a ideia de invadir as imediações do local e encontrar um genuíno ser extraterrestre em “Paul – O Alien Fugitivo” (Paul) de 2011, uma parodia do “E.T” (1982) de Steven Spielberg.

PAUL.jpeg

A verdade, que buscamos, está em algum lugar e um dia chegará e talvez possamos encontrar um sentido similar à saudação KLATU BARADA NIKTO, ou ainda esteja para ser escrito, encenado, montado no campo da ficção uma visão mais próxima da chegada desse futuro.

ESTREIAS DA SEMANA : 28 DE JULHO

JASON BOURNE. (Jason Bourne) EUA 2016. Dir: Paul Greengrass. Com Matt Damon, Tommy Lee Jones, Alicia Vikander, Vincent Cassell, Julia Stiles. Ação.

jason bourne

Quarta aventura de Matt Damon como o espião Jason Bourne em um roteiro original co-assinado pelo diretor. Faz mais sentido para quem viu os filmes anteriores (A Identidade Bourne de 2002, A Supremacia Bourne de 2004 e O Ultimato Bourne de 2007), lembrando que ainda existe uma franquia derivada iniciada em 2014 com Jeremy Renner no papel do espião Aaron Cross (O Legado Bourne) e que em breve terá sequência independente dos filmes estrelados por Damon . Nesse quarto exemplar, Bourne se vê levado a sair do anonimato para desvendar verdades escondidas ligadas ao seu passado e relacionados a uma misteriosa operação governamental. Atentem para uma excelente sequência de perseguição de carros em Las Vegas que durou cinco semanas para ser filmada ao custo de 170 carros destruídos.

O BOM GIGANTE AMIGO (The Big Friends Giant) EUA 2016. Dir: Steven Speilberg. Com Ruby Darnhill, Mark Rylance, Bill Hader. Fantasia.

o bom gigante

Lançado pouco tempo atrás nos Estados Unidos, o filme de Spielberg teve uma péssima recepção de público e naufragou nas bilheterias. A história é adaptada do livro homônimo de Road Dahl (o mesmo autor de “A Fantástica Fábrica de Chocolate” e “Matilda”) publicado em 1982. A história mostra Sophie, uma menina orfã (Ruby Barnhill) que faz amizade com um gigante de bom coração e embarcam em uma jornada onde enfrentarão gigantes maus devoradores de pessoas. A fábula de Dahl segue a linha do escritor em trazer uma mensagem positiva ao final, moralizante. O autor sabia como escrever histórias capazes de tocar o coração de crianças e adultos. A personagem Sophie foi inclusive batizada com o nome da neta de Dahl, que completaria 100 anos em setembro desse ano. O filme reune Spielberg com Melissa Mathison, roteirista de E.T. Em 1989, já havia acontecido uma adaptação em forma de animação.