ONTEM & HOJE : MICHAEL DOUGLAS

Michael Douglas em "São Francisco Urgente" 1972

Michael Douglas em “São Francisco Urgente” 1972

PARA QUEM ASSISTIU RECENTEMENTE “HOMEM FORMIGA” (ANT MAN), AINDA EM CARTAZ, CERTAMENTE RECONHECEU O ATOR MICHAEL DOUGLAS NO PAPEL DO DR. HANK PYM, O HOMEM FORMIGA ORIGINAL E QUE SE TORNA O MENTOR DE SCOTT LANG. MICHAEL PERTENCE A UMA LINHAGEM NOBRE DE ATORES, SENDO FILHO DE KIRK DOUGLAS (SPARTACUS). NASCIDO EM 25 DE SETEMBRO DE 1944, MICHAEL TEM CARREIRA PROLÍFICA TENDO ESTRELADO INUMEROS SUCESSOS COMO “ATRAÇÃO FATAL” (1987), “INSTINTO SELVAGEM” (1994) E “WALL STREET – PODER & COBIÇA” (1988) QUE LHE DEU O OSCAR DE MELHOR ATOR. NO ENTANTO, MICHAEL DOUGLAS, EM SEU INICIO DE CARREIRA TRABALHOU NA TV CO-ESTRELANDO A SÉRIE DE TV “SÃO FRANCISCO URGENTE” (THE STREETS OF SAN FRANCISCO) , AO LADO DO VETERANO KARL MALDEN. MICHAEL INTERPRETAVA O DETETIVE STEVE KELLER QUE COMBATIA O CRIME AO LADO DE UM EXPERIENTE INSPETOR. A SERIE FOI EXIBIDA NO BRASIL PELA REDE BANDEIRANTES (ATUAL BAND) NA DÉCADA DE 70. A PARTIR DE AGORA OCASIONALEMENTE O BLOGCINEONLINE VAI MOSTRAR O INICIO DE CARREIRA DE DIVERSOS ATORES HOJE RENOMADOS. FIQUEM LIGADOS

Hank Pym em "Homem Formiga"

Hank Pym em “Homem Formiga”

ESTREIAS DA SEMANA : EM CARTAZ A PARTIR DE 16 DE JULHO

HOMEM FORMIGA

(Ant Man) EUA 2015. Dir: Peyton Reed. Com Paul Rudd, Michael Douglas, Evangeline Lily, Corey Stoll, Judy Greer, Hayley Atwill, John Slaterry, Garret Morris. Ação.

HFormiga

Uma coisa positiva a respeito dos filmes do Universo Cinemático da Marvel é que eles não se prendem apenas aos heróis do primeiro escalão (Capitão America, Thor, Vingadores enfim) e sabem arriscar. Veja por exemplo o sucesso inesperado ano passado com os “Guardiões da Galáxia”. Apesar de que nas HQs originais, o Homem Formiga  é membro fundador dos Vingadores e parte fundamental das bases do Universo Marvel (Nas Hqs Hank Pym é o criador original do robô Ultron), sua premissa  tridimensionalisada no cinema poderia soar absurda ou cair no ridículo, sem mencionar que o personagem nunca teve um elenco coadjuvante ou galeria de vilões tão vasta quanto do tal “primeiro escalão”. E aí que entra a habilidade dos roteiristas Joe Cornish e Edgar Wright (que quase dirigiu também o filme) para tornar o filme não apenas divertido como também funcional dentro da sequência de eventos dos filmes que o antecederam e já inserido no que serão os posteriores. Nesse sentido, é interessante apesar das liberdades tomadas na adaptação, como já é de se esperar: O Dr.Hank Pym (Douglas) desenvolveu uma tecnologia que o permite modificar o tamanho e que está em vias de cair nas mãos erradas, a de seu ex pupilo Darren Cross (Stoll) que se torna o vilão Jaqueta Amarela. Para ajudá-lo Pym recruta o ex ladrão Scott Lang (Rudd) que se tornará esse diminuto e improvável herói. NO filme, Pym tem uma filha, Hope Van Dyne (nas Hqs Pym é casado com Janet Van Dyne, a heroína Vespa) que é interpretada pela ótima Evangelyne Lily (a Tauriel de “O Hobbit”, e cujo rosto me lembra muito a Stephanie Powers quando nova). Ação e humor são os ingredientes que já são de esperar em um filme do gênero e estão dosados para divertir iniciados em quadrinhos e, principalmente, os não iniciados, afinal de contas estes se tornam novos leitores muitas vezes). Atentem para as duas cenas pós créditos ao final do filme, serão interessantes, mas não vou revelá-las aqui. Boa diversão a todos.

VÕO 7500

(7500) EUA 2015. Dir: Takashi Shimizu. Com Leslie Bibb, Amy Smart, Rayn Kwaton. Terror.

voo 7500

Vôo de Los Angeles a Tokio se torna terreno de uma terrível experiência sobrenatural quando os passageiros começam a ser mortos um por um por uma força diabólica a bordo. Filme de terror para os aficcionados do gênero dirigido pelo mesmo responsável pelo nipônico “O Grito” (Lembram de Toshio ?) Em 1973 houve um filme feito para a Tv chamado “Horrror nas Alturas” (The horror at 37000 feet)com premissa parecida e que trazia no elenco William Shatner, o Capitão Kirk do “Star Trek” original). Os clichês habituais do gênero estão lá, nos dois casos, exceto pelo fato de que um filme de cinema possui um orçamento maior. Espero pelos sustos habituais e bom filme.