BEST SELLERS : A ESPIONAGEM AO ESTILO BOURNE

frase-a-suprema-arte-da-guerra-consiste-em-vencer-o-inimigo-sem-ter-que-enfrenta-lo-sun-tzu-116491

Que ninguém duvide que a figura de um espião ainda é extremamente atraente ao imaginário popular. Por isso a todo momento o cinema traz adaptações de grandes romances de espionagem, embora nem sempre sendo fiel às suas raízes literárias. A figura de um agente secreto em uma missão super confidencial e de grande importância não é uma invenção recente da cultura pop mas um arquétipo recorrente e romanceado de uma prática real e nada glamurosa. Suas origens remontam na verdade séculos de atividades e exercícios ligados a intrigas políticas e jogos sombrios nos bastidores do poder.

ID BOURNE LIVRO

O escritor norte americano James Finemore Cooper (1789 – 1851) – autor do clássico “O Último dos Moicanos – foi um dos primeiros a criar uma história de intriga política nos romances “O Espião” (1821) e “O Bravo” (1831), precursores de um gênero que só seria reconhecido no século XX. A lendária agência de detetives Pinkerton, além de ter tido participação na captura de notórios fora-da-lei, conseguiu evitar um atentado ao Presidente Abraham Linconl através de ações de vigilância que comprovam a máxima de Sun Tzu, autor de “A Arte da Guerra”, que fala sobre “ser extremamente sutil, tão sutil que ninguém possa achar qualquer rastro”. Se sutileza e mistério são essenciais na espionagem, a elas se juntou uma arma ainda mais eficaz: a sedução. Com ela a exótica Margaretha Gestruida Zelle (1876 – 1917) ganhou a eternidade como Mata Hari, que durante a Primeira Guerra (1914-1918) trabalhou para alemães e franceses, sendo por isso executada. Dançarina e cortesã, Mata Hari agia tal qual Milady de Winter na trama dos “Três Mosqueteiros” , fazendo do sexo uma arma tão ou mais mortífera que uma arma de fogo. “Mata Hari” foi vivida no cinema por Greta Garbo em 1931 , Jeanne Moreau em 1964 e Sylvia Kristel em 1985. Sua figura de curvas sinuosas e movimentos furtivos inflamou a imaginação e serviu de imagem fundamental para a caracterização de agentes eficientes na arte de coletar informações.

BOURNE CHAMBERLAIN.jpg

O estouro de duas Guerras Mundiais e as intrigas advindas dos interesses políticos instigaram a necessidade de agir de forma vigilante e preventiva contra inimigos em potencial, comprovando que “a supremacia da guerra é derrotar o inimigo sem lutar”, como no tratado de Sun Tzu. O cinema mostrou isso em filmes como “Agente Secreto” (1936), “O Homem que Sabia Demais” (1934 e refilmado depois em 1954) , “O Sabotador” (1940) e “Intriga Internacional” (1959), todos do mestre Alfred Hitchcock e que deixaram bem claro a importância no mercado negro das informações confidenciais para atentados, insurreições e conspirações que podem abalar o equilíbrio de forças no mundo. O mundo bipolarizado do pós-guerra fez da guerra fria um elemento fértil para elaboração de tramas intricadas e teias conspiratórias. Mais do que nunca se via a importância de se controlar o fluxo de informações e evitar que o lado inimigo ganhasse qualquer vantagem. Manter vigilância constante significava se proteger. Nas palavras de Sun Tzu o lado vencedor de um conflito precisava de vidência, não de espíritos ou deuses, mas de homens que conhecessem o inimigo. Assim as atividades de contra-espionagem ganharam importância absoluta. Se James Bond tornou-se o mais popular dos espiões, também tornou-se modelo de um agente secreto mais próximo do super heroísmo, infalível em suas missões e sedutor bem sucedido que sempre salva o mundo de vilões megalomaníacos. Seus imitadores Derek Flint e Matt Helm seguiram o mesmo passo glamourizando a figura do super espião como um bon vivant que também salva o mundo

IDBODAMON.jpg

A Espionagem, contudo, não é um jogo glamuroso e o autor Robert Ludlum soube manter os pés no chão quando criou o espião Jason Bourne. Uma arma humana treinada pelo governo para matar e que acaba por se tornar um embaraço e uma ameaça para o sistema quando perde sua memória. Sua história foi mostrada em “A identidade Bourne” (1980), “A Supremacia Bourne” (1986) e “O Ultimato Bourne” (1990), adaptados para o cinema a partir de 2002 com Matt Damon no papel de Bourne. Os livros de Ludlum são embebidos de ação e intriga, tendo sido escritos entre 1980 e 1990. Neles o agente secreto é simplesmente um assassino controlado por organizações que regem os acontecimentos das sombras fazendo uso de manipulações, traições e lavagem cerebral sem nenhum freio moral. Bourne também se distancia dos super espiões auto confiantes estilo James Bond já que em sua missão em campo não há aliados e o protagonista privado de sua memória só pode contar com seus instintos. Nos livros Bourne foge de seus empregadores, da justiça e trava um xadrez mental com o vilão Carlos, o Chacal, o terrorista mais letal do mundo inspirado em uma pessoa real, o mercenário e assassino venezuelano Ilich Ramirez Sanchéz, vulgo Chacal, que cumpre prisão perpétua na França. Em 1988, uma mini série de Tv (exibida no Brasil pela Rede Globo com o nome “Missão:Matar”) fez uma adaptação bem próxima do primeiro livro trazendo Richard Chamberlain como Jason Bourne e a ex-pantera Jaclyn Smith como Marrie. Nos filmes estrelados por Matt Damon, com exceção de alguns elementos dos livros toda a história foi reescrita. A personagem Marie (Franka Potente) é morta no segundo filme, ao contrário do livro em que se baseia. Na história original a segunda aventura de Bourne gira em torno de uma trama para provocar uma guerra entre a China e o mundo ocidental. Ludlum encerrou sua narrativa em “O Ultimato Bourne” com um conflito definitivo com o Chacal, travando um jogo de gato e rato com tensão crescente. Depois da morte do autor, Bourne assume novas missões em tramas escritas por Eric Van Lustbader. Do livro seguinte “O Legado Bourne” (2004) o filme só aproveitou o título apresentando  outro desenrolar e outro protagonista, o agente Aaron Cross (Jeremy Renner). A esse livro se seguiram mais seis que certamente se adaptados provavelmente seguirão a mesma linha dos filmes. O novo entitulado apenas Jason Bourne é uma história original co-escrita pelo diretor Paul Greengrass. Podemos contar que o personagem criado por Robert Ludlum ainda terá outros retornos.

BOND 17 : 007 CONTRA GOLDENEYE

UM ESCLARECIMENTO AOS AMIGOS LEITORES DO BLOG: QUANDO INICIEI ESSA SÉRIE DE ARTIGOS SOBRE OS FILMES DE 007 MINHA PRETENSÃO ERA COBRIR TODOS OS TÍTULOS, UM POR UM, ATÉ A DATA DA ESTRÉIA DE “007 CONTRA SPECTRE”. INFELIZMENTE NÃO FOI POSSÍVEL FAZÊ-LOS A TEMPO. AINDA ASSIM LHES DIGO QUE CONTINUAREI COM A MISSÃO TERMINANDO TODOS OS FILMES DA ERA BROSNAN E TAMBÉM TODOS OS FILMES DA ERA CRAIG, QUE PARECE TER CHEGADO FIM COM A CHEGADA DE “007 CONTRA SPECTRE”. AOS FÃS DO AGENTE SECRETO E AOS LEITORES DO BLOG AFIRMO QUE TEM AINDA MUITA COISA INTERESSANTE SOBRE OS BASTIDORES DESSA FRANQUIA MILIONÁRIO QUE NASCEU NA LITERATURA DE ESPIONAGEM E GANHOU PERSONALIDADE PRÓPRIA DENTRO DA HISTÓRIA DA SÉTIMA ARTE.  MUITOS PODEM ATÉ NÃO GOSTAR TANTO DE BOND, MAS NÃO HÁ COMO IGNORAR SUA IMPORTÂNCIA. ENTÃO RECOMEÇEMOS COM O 17º FILME DA SÉRIE E PRIMEIRO ESTRELADO POR PIERCE BROSNAN, DE PREFERÊNCIA SABOREANDO UMA TAÇA DE MARTINI, BATIDO E NÃO MEXIDO COMO O PERSONAGEM PEDE.

 

Goldeneye Bond e bondgirls

Pierce Brosnan, Izabella Scorupco & Famke Janssen

Há exatos 20 anos James Bond voltou às telas repaginado para uma nova geração em “007 Contra  GoldenEye”. O mundo, no entanto, era muito diferente do que havia sido contextualizado para o personagem: Não havia mais a guerra fria, a cortina de ferro foi derrubada  e os interesses globais não mais se desdobravam em  ideologias bipolarizadas. O equilíbrio de forças no mundo ainda sofria seus revezes e aí é que entra Brosnan, Pierce Brosnan.  Pela primeira vez, um roteiro de 007 havia sido feito sem nenhuma ligação com os livros de Ian Fleming, desta vez nem mesmo o título. Foi também o primeiro vez sem a mão do roteirista Richard Maibaum que havia falecido durante o longo hiato entre o filme anterior “007 Permissão Para Matar” e o novo filme que fora planejado ainda com Timothy Dalton em mente. Este anunciara em 1994 que estava oficialmente fora, sem nenhum interesse de voltar ao papel.  Foram pensados para o papel nomes como Liam Neeson,  Mel Gibson, Sam Neill ,Hugh Grant e Ralph Fiennes (que mais tarde faria o papel de M a partir de “Skyfall”), até que Albert Broccoli escolhesse finalmente Pierce Brosnan que já havia sido cogitado para 007 na época de “007 Marcado Para a Morte” (The Living Daylights) de 1987, mas que acabou não sendo efetivado devido ao contrato que o ator tinha com a série de TV “Remington Steele”. Foi a última vez que Broccoli faria pessoalmente a escolha do ator para Bond, já que Broccoli viria a falecer pouco depois. Curiosamente, Brosnan havia sido casado com a atriz Cassandra Harris, que foi uma das Bond girls de Roger Moore em “007 somente para seus olhos” (For your eyes only).

Goldeneye Bond viloes

Os Vilões continuam ameaçadores, mesmo que um deles seja um nerd do mal (Alan Cummings) ao lado de Sean Bean, o traidor 006.

A história do novo filme mostra Bond enviado em missão para recuperar o Goldeneye, um sistema de satélites capaz de provocar pane em qualquer  circuito eletrônico do mundo, desde o mecanismo de um relógio ao mais sofisticado computador. O aparelho acaba caindo nas mãos da organização Janus, a máfia russa surgida dos escombros da antiga União Soviética e dos dissidentes da KGB. Bond enfrenta o General Ourumov (Gottfried John), sua assassina sádica Xenia Onatopp (Famke Jansen) e o agente traidor Alec Trevelyan (Sean Bean) que era amigo de Bond e que o conhece muito  bem. Bond conta apenas com a ajuda do agente da Cia Jack Wade (Joe Don Baker) e a operadora de sistema Natalya Simonova (Izabella Scorupco). No elenco de Bondgirls, Xenia ficou com a atriz holandesa Famke Jansen, que depois interpretou a mutante Jean Grey nos filmes da franquia “XMen”. Já Izabella Scorupco é atriz e cantora de origem polonesa. O maior adversário de Bond ficou o ator Sean Bean, que chegou a fazer teste para o papel de James Bond já na época de “007 Marcado Para a Morte” em 1987. O elenco de apoio foi renovado começando por M, o chefe de Bond, que ficou com a atriz Judy Dench. O único que manteve o papel foi Desmond Lewlley, o Q, gênio inventor por trás das traquinas bondianas. Presença digna de nota também é o nerd do mal vivido por Alan Cummings (o Noturno de X Men 2) que trai seus amigos e está a todo momento tentando se reafirmar dizendo “I am invincible” (Sou Invincível), incluindo do desfecho.

Goldeneye Judy Dench

M (Judy Dench) dá uma dura em 007 : “Você é um dinossauro sexista e misógino”

O filme foi dirigido por Martin Campbell que imprimiu um ritmo ágil que segura o interesse na trama, mantendo o tom mais sério iniciado na era Dalton. O resultado foi uma bilheteria mundial de mais de $ 350 milhões para um orçamento de $58 milhões. O roteiro acerta em cheio de forma a apresentar Bond para a geração 90 como na cena em que M (Dench) chama Bond de “dinossauro sexista misógino”, destacando o anacronismo da figura do super espião em um mundo onde o maniqueísmo deixou de ter sentido e as intrigas políticas abandonaram ideologias em favor de interesses econômicos.  A trilha sonora traz a voz de Tina Turner na canção de abertura, que quase foi gravada pelo grupo Rolling Stones. A banda sueca “Ace of Base” também foi cogitada, e depois descartada. Foi o primeiro filme de 007 a usar tecnologia digital, apesar de algumas sequências tradicionais como o mergulho de bungee-jumping na abertura do filme, a perseguição de tanques que levou seis meses para ser concluída e cenas de luta que dispensavam muitas vezes os dublês. Brosnan chegou a machucar sua mão em uma dessas cenas, e seu filho Christopher Brosnan usou a própria para emular a do agente. A sequência final na gigantesca antena foi filmada na mesma locação usada para o filme “Contato”, com Jodie Foster. O nome do filme ainda guarda uma referência ao criado do personagem já que “GoldenEye” foi o nome de uma operação de espionagem real na qual Ian Fleming se envolveu quando este trabalhava para a Inteligência Naval Britânica durante a segunda guerra. A operação tratava da possível invasão da Espanha por tropas nazistas. Quando Fleming se tornou um escritor bem sucedido, este usou o nome “GoldenEye” para batizar sua casa na Jamaica onde se desenvolvia seus livros.

Goldeneye Bond e Isa

Bond & Simonova 

O sucesso nas bilheteria do filme de Martin Campbell restaurou o prestígio de franquia, se tornando a mais rentável desde “007 Contra o Foguete da Morte” (Moonraker) na era Moore, superando inclusive as duas incursões de Timothy Dalton no papel. Brosnan ficou com um contrato para mais três filmes.e sua licença para matar ou divertir foi renovada definitivamente.

BOND RETORNA AO BLOG EM “007 O AMANHÃ NUNCA MORRE”.