NETFLIX 2018: A PRINCESA & A PLEBEIA

(THE PRINCESS SWITCH) EUA 2018. DIR:MIKE ROAH. COM VANESSA HUDGENS, SAM PALLADIO, NICK SAGAR, ALEXA ADEOSUN.

A-Princesa-e-a-Plebeia-filme-netflix.png

É AGRADAVEL ASSISTIR A UM FILME CUJA UNICA PRETENSÃO É SER DIVERTIDO PARA UMA FAMÍLIA SE REUNIR EM VOLTA DA TV. FOI COM ESSE ESPÍRITO QUE ASSISTI A “A PRINCESA E A PLEBEIA”  SOBRE UMA SIMPLES CONFEITEIRA DE BOLO QUE EM VIAGEM PARA UM CONCURSO EM PAÍS FICTÍCIO DA EUROPA CONHECE UMA DUQUESA QUE É SUA SÓSIA PERFEITA. A TROCA DE IDENTIDADES E DE ESTILOS DE VIDA GERA UMA SÉRIE DE SITUAÇÕES DIVERTIDAS, TODAS LEVEMENTE INSPIRADAS NO LIVRO CLÁSSICO “O PRÍNCIPE E O MENDIGO” (THE PRINCE & THE PAUPER) DE MARK TWAIN LANÇADO EM 1882. 

        the-princess-switch-vanessa-hudgens-PRINCESA-E-A-PLEBEIA-PLANO-CRITICO-600x400

O FILME DE MIKE ROAH É UM TRADICIONAL LANÇAMENTO NATALINO DA NETFLIX E TRAZ AQUELE GOSTO AGRADAVEL DE FIM DE ANO. VANESSA HUDGENS, NO PAPEL DUPLO DE STACY DENOVO E LADY MARGARETH NÃO IMPRESSIONA, MAS TAMBÉM NÃO FAZ FEIO, CONSEGUINDO ENTREGAR UMA ATUAÇÃO AO MENOS EQUILIBRADA ENTRE O ESTILO SOFISTICADA DE UMA E O DESASTROSO MAS BEM INTENCIONADO DA SUA DUPLA PLEBEIA. NO MOMENTO EM QUE AMBAS SE MISTURAM AOS NOSSOS OLHOS VANESSA FICA PERDIDA NO TOM DE CADA UMA QUANDO ESTAS TEM QUE DISFARÇAR SUAS VERDADEIRAS IDENTIDADES. NO FINAL, QUANDO AMBAS SÃO SÃO REVELADOS AO OLHOS DE TODOS, PERCEBE-SE AINDA ASSIM O MESMO MAS NADA QUE COMPROMETA A DIVERSÃO EM SI. VANESSA AINDA PRECISA ENCONTRAR UM PAPEL QUE FAÇA TODOS ESQUECEREM DA DOCE GABRIELLE DE “HIGH SCHOOL MUSICAL” PARA QUE SUA CARREIRA POSSA ALCANÇAR VÔOS MAIS ALTOS.

COMO REFERÊNCIA, NA CENA EM QUE QUE KEVIN () E STACY/LADY MARGARTH (HUDGENS) ESCOLHEM UM FILME PARA ASSISTIR, AMBOS SELECIONAM “O PRINCIPE DO NATAL” (THE CHRISTMAS PRINCE) LANÇADO PELA NETFLIX EM 2017. A CANÇÃO DA SEQUÊNCIA DE ABERTURA DO FILME TEM A VOZ DE SAM PALLADIO, O ATOR QUE INTERPRETA O PRÍNCIPE EDWARD. FILME DIVERTIDO E COM GOSTO DE PANETONNE. 

CLÁSSICO REVISITADO : OS 70 ANOS DE “A FELICIDADE NÃO SE COMPRA”

Não há quem nunca tenha passado por uma fase difícil na vida. Imagine então que em seu momento de maior desespero, um anjo desce à Terra para ajudá-lo. Assim é o clássico “A Felicidade Não Se Compra” (It’s a Wonderful Life) – um típico filme para uma noite de Natal – que completa agora setenta anos de seu lançamento original.

ocinemaantigoitsawonderfullife3

Falar de “A Felicidade Não se Compra” é falar de dois nomes emblemáticos da clássica Hollywood: O diretor Frank Capra e o ator James Stewart. Capra foi um dos mais importantes diretores de sua geração, sempre explorando o sonho americano, o homem comum em modernas fantasias urbanas. James Stewart um ícone do cinema que retomava então sua carreira após o fim da segunda guerra, na qual lutara. O filme, o favorito de Capra, foi gravado em 90 dias, o primeiro e único que o próprio diretor viria a financiar com seus próprios recursos. A história mostra a pacata cidade de Bedford Falls, onde o bondoso empresário George Bailey (Stewart), um homem de boa vontade que sempre ajudou a todos, se vê em sérios apuros financeiros, endividado e nas mãos do cruel banqueiro Henry F. Potter (Lionel Barrymoore). Acuado por seus credores e vendo sua esposa e filhos vulneráveis a tudo, George decide cometer suicídio, se jogando do alto da ponte. Nesse momento seu ato é contido por Clarence, um espírito desencarnado que para merecer suas asas de anjo precisa salvar George de sua decisão fatal. Clarence (Henry Travers) mostra então a George como seria a vida de todos na cidade se ele não tivesse existido, uma realidade de pesadelo onde o Sr.Potter oprime a vida de todos na cidade. George percebe o quanto sua vida é essencial para todos e desiste de seu desejo fatal, reconhecendo que sua vida é maior que os problemas que carrega. De volta ao mundo real, George recebe a ajuda de todos que ele no passado ajudara e consegue assim pagar suas dívidas, num gesto de bondade coletiva que contagia a todos ao redor.

felicidade.jpg

Tentem assistir ao filme sem chorar ao final, é um desafio. O filme consegue tocar individualmente cada um que já passou por tristezas na vida e revigora nossa força interna e capacidade de superação. Apesar de mensagem tão positiva o filme foi um fracasso de bilheteria em 1946, só sendo finalmente reconhecido quando foi redescoberto pelas reprises televisivas. Ainda assim foi indicado ao Oscar em várias categoria e chegou a ganhar o Golden Globe de melhor diretor. Para a atualidade, o filme de Capra ficou em 11º lugar na escolha do AFI dos 100 melhores filmes. A banda McFly chegou a adaptar as falas de George Bailey para sua esposa, interpretada por Donna Reed (esta em seu primeiro papel de protagonista nas telas), o que mostra que a força de determinados filmes não acaba com a passagem do tempo.

a-felicidade-nao-se-compra3

– O QUE VOCÊ QUER, MARY ? VOCÊ QUER A LUA ? BASTA DIZER E O A LAÇAREI PARA VOCÊ E A TRAREI PARA VOCÊ.

James Stewart tinha 38 anos na época das filmagens. O ator reprisou o papel em uma adaptação do filme feito para o rádio dois anos depois. O papel de George Bailey chegou a ser pensado para Cary Grant (antes de Frank Capra assumir o projeto) e Henry Fonda se interessou pelo papel que ficou com Stewart, conforme vontade de Frank Capra desde o começo. O filme é o único na história a ser baseado em um conto escrito em um cartão de natal por Philip Von Doren e consegue manter forte seu discurso anti-materialista e uma bela mensagem de quem “Nenhum homem é um fracasso”, conforme dito no filme que também era o favorito de seu protagonista. Uma lição que também tento incutir em minha vida, pois esta é tão maravilhosa quanto seu título original. Há 70 anos.