REI LEÃO

          Este tem sido o ano do cantor Elton John. Depois do sucesso internacional de sua cinebiografia “Rocketman”, suas composições voltam à luz da mídia no lançamento da versão live-action de “O Rei Leão”, dirigida por Jon Favreau, o mesmo responsável pela transposição de “Mogli” em 2016, mais reconhecido pelo público como o Happy Hogan do Universo Cinemático Marvel.

RL1.jpeg

           A tarefa é hercúlea: Fazer uma nova geração se emocionar com a jornada do leão Simba e trazer de volta a nostalgia de quem cantou Hakuna Matata nos idos de 1994. O novo filme traz de volta os compositores Tim Rice e Elton John, além do veterano James Earl Jones na voz de Mufasa. Na época de seu lançamento a animação causou um grande impacto com sua história de tons shakespearianos, a primeira original do estúdio e seu 32º longa, ganhando os Oscars de melhor trilha sonora, de Hans Zimmer e melhor canção original, para “Can you feel the love tonight?”. Nada ficou no caminho de sucesso de “O Rei Leão” na época, mesmo quando surgiram acusações de que a Disney havia copiado “Kimba – o Leão Branco”, clássico anime criado por Osamu Tezuka.

RL2.jpg

         Foram 3 anos de trabalho e dedicação dos roteiristas Irene Mecchi, Jonathan Roberts e Linda Woolverton e dos animadores da Disney resultando em impressionante representação da África conseguida depois que a equipe viajou ao Parque Nacional do Quênia para estudar o cenário e o comportamento dos animais. Foi um longo processo de mudança que incluiu tentativas de rodar em tom documental e depois de fazê-lo um musical na tradição de outras animações do estúdio. A chegada de Rob Minkoff e Don Hahn na produção delineou o foco da história inicialmente intitulada “King of The Jungle”, e modificado, uma vez que o desenrolar da história era nas savanas africanas, e não exatamente na selva. A história ganhou retoques bíblicos com a inspiração na figura de Moisés e o acréscimo de cenas para as hienas, e a dupla Timão e Pumba, estes coadjuvantes de luxo que roubam a cena com humor contagiante diluindo o peso dramático sem fazer perder o impacto da narrativa.

         O projeto foi uma aposta arriscada para um estúdio acostumado com histórias de princesas e reinos mágicos como os bem sucedidos “Aladim” (1992) e “A Bela & A Fera” (1991), e por isso acreditava-se e investia-se mais na adaptação de “Pocahontas”, desenvolvido em paralelo, mas com resultado inesperado nas bilheterias. Enquanto a lendária índia norte-americana faturou em torno de US$ 141 milhões nas bilheterias, a história de Simba alcançou US$ 312 milhões só nos Estados Unidos, tornando-se então a animação de maior bilheteria até 2003 quando estreou “Procurando Nemo”.

RL3

          O live-action que chega aos cinemas, o terceiro da Disney esse ano, traz novas versões para as clássicas  canções, já conhecidas, com Beyonce e Donald Glover cantando em dueto “Can you feel the love tonight ?”, respectivamente nos papéis de Nala e Simba, mas ainda tem duas canções novas “Never Too Late” de Elton John e “Spirit”, na voz de Beyonce. O filme ainda emprega muito bem a clássica “The Lion Sleeps Tonight” na voz de Seth Rogen e Billy Eichner. A história, contudo, segue a mesma estrutura da animação de 1994, falando de vida e morte, de ritos de passagem, de assumir um papel no ciclo da vida. Não há reinvenções ou reimaginações dos elementos que fizeram a história tão icônica. O CGI impressiona hoje tanto quanto a animação de 1994 conseguiu arrancar emoções personificadas dos carismáticos personagens que reencontramos, com aquele sentimento saudosista, de rever velhos amigos como a ave Zazu (John Oliver substituindo Rowan Atikinson), o sábio orangotango Rafiki (John Kani substituindo Robert Guilaume) ou o vilão Scar (Chwitel Ejiofor no lugar de Jeremy Irons). O elenco de vozes ainda inclui Seth Rogen (Pumba), Billy Eichner (Timão), Alfre Woodard (Sarabi), além dos já mencionados Donald Glover e Beyonce nos papeis centrais e recebendo as vozes de Ícaro Silva e Iza na dublagem brasileira.

          Com tantos talentos envolvidos não é surpresa que a Disney tenha investido tanto nessa adaptação, seguida do sucesso de “Alladin”, mas também do decepcionante resultado de “Dumbo” de Tim Burton. E não para por aí já que o estúdio prepara para breve a adaptações de “Mulan” e “Malevola – A Dona do Mal”, sendo esta a sequência do mega sucesso estrelado por Angelina Jolie em 2014. Resta saber como o público de hoje vai reagir ao apelo dessa história que faz uso de animais personificando ambição, inveja, amor, lealdade e legado, atributos humanos destilados em uma narrativa que há 25 anos soube equilibrar humor e drama, com toques filosóficos capaz de nos fazer refletir sobre qual o nosso lugar no planeta que habitamos, abaixo de um sol cor de safira, como parte de um infinito ciclo, o ciclo da vida. A essa altura já é inevitável ouvir as notas do piano de Elton John a nos perguntar “Você pode sentir o amor esta noite?”. A resposta está nas telas a partir desta quinta dia 18 de julho.

GRANDE ESTREIA: ROCKET MAN

Rocketman

          Mais de 300 milhões de discos vendidos no mundo, sete álbuns consecutivos em primeiro lugar nas paradas americanas, carreira premiada com Grammy, Brit Awards, Tony, Golden Globe, Oscar entre outras honrarias são tantos feitos e tantos sucessos que seu nome certamente há sempre de pairar alto como uma pipa, ou melhor dizendo como um foguete, nascido Reginald Kenneth Dwight mas seu talento o fez renascer como Elton John. O filme que estreia hoje nos cinema é um presente para seus fãs, mas também uma oportunidade para os que não são conhecerem a trajetoria desse ícone da música pop.

elton-john-1974-portrait-billboard-1548

          Depois do sucesso de “Bohemian Rhapsody”,  Dexter Fletcher – que finalizou o filme do Queen depois da saída de Bryan Singer – assumiu adaptar a vida de Elton John em um filme sem concessões, mostrando os baixos na vida pessoal e profissional do cantor, mesmo que com isso a classificação etária restringisse o alcançe do filme. O próprio Elton John garantiu que assim fosse, pois em suas própria palavras “Minha vida não foi aconselhável para menores”. Mesmo com cenas fortes mostrando sexo e drogas, o filme de Dexter Fletcher impressiona pelas cenas que mesclam fantasia e realidade na medida que mostra como um garotinho venceu a timidez, e outros obstáculos pessoais, para se tornar um artista de projeção internacional. No elenco de apoio Jamie Bell (Tintin) é Bernie Taupin, o parceiro de composições de Elton e Bryce Dallas Howard (Jurassic World) interpreta a mãe do músico que trazia um talento prodigio, iniciando sua carreira no final dos anos 60 e tornando-se uma estrelas ao longo da década seguinte, período em que o roteiro se concentra no recorte biográfico. A quantidade de hits preenche a tela e as cenas, assim como “Mamma Mia” fez com as canções do Abba, inserindo-as na representação de diversas passagens da vida do músico.

i am still standing.jpg

         Sua carreira sempre esteve identificada com uma união harmoniosa entre imagem e som, seja nos figurinos extravagantes que usou diversas vezes em suas apresentações nos anos 70, tal qual um Liberace renascido no cenário pop, Capitão Fantástico, Pato Donald ou Mozart, com plumas, paetês, óculos e rock saltando das teclas de seu piano, movido por canções como “Bennie & The Jets”, “Crocodile Rock” ou baladas poéticas como “Don’t Let the Sun Go Down On Me”, ou “Your Song”, esta escolhida como uma das mais belas canções de amor, seu primeiro grande sucesso nos Estados Unidos em 1970, essência de toda uma discografia, grande parte da qual composta junto a Bernie Taupin. Desde o começo Elton na música e Bernie como letrista fizeram o mundo bailar e se apaixonar até mesmo visitando e revisitando a sétima arte como quando criaram “Candle in the Wind”, melodiosa canção que fala da musa Marilyn Monroe, ou quando nos levaram de volta ao mundo de Oz em “Goodbye Yellow Brick Road”, seu sétimo álbum de estúdio lançado em 1973, presente na lista dos maiores álbuns no Rock and Roll Hall of Fame. Em 1975 Elton John fez sua primeira aparição como ator em um filme, parte do elenco da opera rock “Tommy”, dirigido por Ken Russell, transformando-se na figura delirante do Pimball Wizard na canção de mesmo nome composta por Pete Townshend da banda “The Who”.

elto flutua.jpg

        O talento da dupla Taupin & John é tão imagético que seus clips trazem uma identidade cinematográfica como a história de amantes separados pela guerra de “I guess that’s why they call it the blues” (1984), o amor de um ocidental e uma comunista em tempos de guerra fria em “Nikita” (1985) ou a arquitetura retro no cenário de “Believe” (1995). Com um lirismo que evoca o romantismo de Cole Porter, Elton John cria suas melodias separado de seu parceiro de longa data, o letrista Bernie Taupin mostrando que a soma das partes leva a uma resultado admirável em que letra e música criam uma dimensão sonora viva e contagiante como a clássica “Rocketman” (1972), que dá nome a sua cinebiografia, escrita a partir de um conto de Ray Bradbury que integra o livro “The Illustrated Man”, em uma época em que canções com temática espacial eram populares.

pinball-wizard-tommy.jpg

          Elton John colaborou com a trilha sonora de vários filmes: a balada “Daniel” toca em “Alice Não Mora Mais Aqui” (1974) de Martin Scorcese, “Tiny Dancer” em “Quase Famosos” (2001) de Cameron Crowe, “You Gotta Love Someone” em “Dias de Trovão” (1990) de Tony Scott além de séries de Tv como “Glee” (2010-2013) e “Californication” (2009-2014). O cantor passou por altos e baixos que são facilmente identificáveis em várias das fases de sua carreira, mas sempre apoiou causas humanitárias. Depois da morte de Lady Di, reverteu a canção “Candle in the Wind” para homenagear sua amiga, a princesa a quem chamou de “English Rose”, e que se tornou o single mais vendido da história. Em 1985, mesmo ano em que participou do Live Aid, participou da gravação de “That’s What Friends Are For” junto a Dionne Warwick, Stevie Wonder e Gladys Knight, que teve o lucro revertido para as pesquisas da “American Foundation For AIDS Research”. Sete anos depois o cantor deu seu nome para a criação da “Elton John AIDs Foundation”, organização que apoia além de diversas causas humanitárias.

rei leao

        Sempre muito pessoal em suas composições, ele fez sozinho a instrumental “Song for Guy” (1978) para um amigo que morrera tragicamente e em meio a seus acordes desperta uma experiência espiritual encerrada com versos que dizem “Life isn’t everything” ( A Vida não é tudo). Lançou “Empty Garden” dois anos depois da morte de John Lennon, de quem era grande amigo, além de ser padrinho do segundo filho do ex Beatle. O homem foguete da música pop chegou à década de 90 compondo, junto a Tim Rice, as canções “Circle Of Life” e “Can You feel The Love Tonight?” da trilha sonora da animação “O Rei Leão”, um dos maiores triunfos dos Estudios Disney, que lhe deu o Oscar da Academia. Alguns anos depois voltou a trabalhar com Rice para a trilha de “O Caminho para Eldorado” da Dreamworks, em que sua voz também serviu de narrador da história.  Com a própria produtora a “Rocket Pictures”, fez de suas canções o fio condutor da animação “Gnomeu & Julieta” (2011), que ganhou sequência em 2016 embalando uma nova geração com sucessos como “Don’t Go Breaking My Heart” , “Philadelphia Freedom” e “I’m Still Standing”. Em 2017, interpretou a ele mesmo em “Kingsman; Circulo Dourado”, curiosamente protagonizado por Taron Egerton, que interpreta Elton na cinebiografia “Rocketman”.

elton baseball

             Esse prodígio que aos 4 anos já dedilhava no piano, que já foi dono de um time de futebol inglês, outra de suas paixões, sobreviveu a todos os excessos que um astro atravessa como drogas e álcool, além de ter lutado contra a bulimia durante vários anos. Também sobreviveu a tentativas de suicídio e com conflitos gerados por sua sexualidade, a princípio escondida e depois assumida. Hoje casado e feliz com o empresário David Furnish e com dois filhos, Zachary de 9 anos e Elijah de 6 anos, esse fantástico artista ainda esbanja vitalidade e criatividade, já tendo se apresentado no Brasil três vezes, anuncia sua aposentadoria após o final da atual turnê batizada de “Farewell Yellow Brick Road”. Elton é um sobrevivente, mas ainda de pé, depois de todo esse tempo conquistou uma vida plena com muitos fãs, incluindo este que escreve, que ao aprender inglês, traduziu como primeira canção a melodiosa “Skyline Pidgeon”, que no Brasil foi parte da trilha sonora da novela “Carinhoso” (1973). Foi amor a primeira vista, ou melhor à primeira audição, comprovando o que letra de “Sad Songs” diz, que canções romântica sempre tem muito a dizer, e certamente Elton sempre teve.

 

 

IN MEMORIAN : ROBERT GUILLAUME

benson

Faleceu no último dia 24 o ator Robert Guillaume, famoso por ter dublado Rafiki na animação “Rei Leão” (1995). Com uma extensa filmografia, em maior parte advinda de trabalhos na TV, eu particularmente guardo com carinho sua atuação na sitcom “O Poderoso Benson” (1979-1986) em que interpretou o espirituoso e sábio mordomo do governador de Nova York. A série foi exibida no Brasil na segunda metade da década de 80 na faixa “Sessão Comedia” da Rede Globo.