CLÁSSICO REVISITADO: ALIEN O 8º PASSAGEIRO / 40 ANOS

alien 2

         Deixe de lado as narrativas poéticas de Flash Gordon, Star Trek e produtos semelhantes. O espaço não é um lugar favorável para se visitar e as formas de vida encontradas estão longe de ser cerebrais como o Sr.Spock ou formosas igual às heroínas de fantasias escapistas. No espaço ninguém nos ouviria gritar uma vez que o som não se propaga no vácuo, e a vida não se cria amigável e hospitaleira. Na sala de cinema foi o grito do público que popularizou a figura de uma criatura xenomorfa como um dos maiores monstros do cinema. A ideia de Dan O’Bannon, roteirizada pelo próprio em conjunto com Richard Shusett, veio a se tornar o primeiro “Alien” (1979) subentitulado no Brasil “o oitavo passageiro”. O’Bannon já havia ensaiado a historia de um organismo estranho à bordo de uma nave em “Dark Star” (1975) de John Carpenter, mas as raízes do filme que “Alien” se tornaria foram plantadas nos filme B dos anos 50 e 60 em títulos como “The Quartemass Experiment” (1953) e “The Thing from Outer Space” (1951). O filme de Ridley Scott trabalhou as sementes deixadas por essas pérolas e as elevou a um patamar de excelência, mexendo como nosso medo do desconhecido.

alien 3.jpg

            O filme dirigido por Ridley Scott potencializou o tema bebendo da lição spielbiguiana de mostrar pouco e insinuar muito a medida que incita o público a imaginar como seria sua criatura no final. Não à toma o renomado crítico Roger Ebbert comparou”Alien” a “Tubarão” (Jaws), lançado quatro anos antes. A narrativa de Scott  começa silenciosa, mas cresce a tensão gradativamente conforme a tripulação da Nostromo (nome que foi retirado de um poema de Joseph Conrad) é eliminada tal qual os personagens de “O Caso dos dez negrinhos” (Ten Little Indians) clássico livro de Agatha Christie. Curiosamente, o personagem de Ripley (Sigourney Weaver) assume o protagonismo de forma despretensiosa, lançando a carreira da atriz então aos 30 anos. O filme de Scott fez o nome de Sigourney Weaver conhecido e estabeleceu um padrão mixto de terror e ficção constantemente imitado, mas jamais igualado, nem mesmo as sequências da franquia imprimem o mesmo impacto. Antes de “Alien”, Scott só tinha feito um filme, o ótimo “Os Duelistas”, de 1977, pelo qual foi premiado em Cannes, além de trabalhos na TV. Hoje, Scott é renomado com 50 créditos como diretor, fora seus trabalhos como produtor e prêmios como o Globo de Ouro de melhor diretor por “Perdido em Marte” em 2016, além de diversas indicações a honrarias como o Oscar, O Cesar (Oscar Francês), o BAFTA e o Emmy.

alien poster

           O visual assustador da criatura foi idealizado pelo artista gráfico H.R. Giger (1940 – 2014) que deu ao xenomorfo a cabeça alongada e a forma humanoide, cujo traje coube ao renomado técnico Carlo Rambaldi (1925-2012), o mesmo responsável por “King Kong” (1976) e “E.T” (1982), que ficou com a tarefa de fazer o movimento da criatura e a projeção da mandíbula interna algo aterrador, o que conseguiu fazendo por merecer o Oscar de melhor efeitos visuais. Na era pré-digital coube ao nigeliano Bolaji Bandejo (1953/1992) vestir o traje que lhe deu seu único crédito como ator. A bilheteria de $78.900.000, cerca de seis vezes mais do que seu orçamento original, convenceu a Twentieth Century Fox a continuar a história, mas problemas internos no estúdio atrasaram os planos que se concretizariam tempos mais tarde como “Aliens – o Resgate”, mas isso já é outra história. Só não pense que acabou, pois certamente em breve teremos um novo capitulo a revisitar a obra de 1979 que chega a completar em agosto desse ano 40 anos de seu lançamento no Brasil.

Anúncios

MISSÃO IMPOSSÍVEL: SÉRIE ORIGINAL & FILMES.

            O sucesso de “Missão: Impossível” vem muito antes do agente Ethan Hunt e conta mais de 50 anos desde a primeira vez em que uma gravação seguida de uma contagem regressiva anunciava a aventura embalada pelo instigante tema musical do argentino Lalo Schifrin que marcou gerações.

mi serie1.jpg

Da direita para a esquerda: Peter Graves, Barbara Bain, Peter Lupus, Greg Morris e Martin Landau.

            No Brasil a extinta Tv Excelsior trouxe a série “Missão: Impossível” (Mission: Impossible) para as noites de segunda-feira em junho de 1967, quase um ano depois de sua estreia pela CBS. A história, criada pelo roteirista norte-americano Bruce Gellar, foi filmada pela Desilu Productions, o estúdio fundado em 1951 pela comediante Lucille Ball e seu marido Desi Arnaz. Inicialmente, o projeto intitulado “Brigg’s Squad” mostraria um grupo de agentes recrutados para missões de alto risco nas quais o governo não poderia se envolver abertamente. As características dos personagens seriam refinadas por Gellar, que se recusou a criar um passado para cada um, mantendo uma aura de mistério em torno destes. O que importava era a habilidade de cada membro da equipe: Rollis Hand (Martin Landau) era o mestre dos disfarces, Cinnamon (Barbara Bain) era a espiã irresistivelmente sedutora, Barney Collier (Greg Morris) era o expert em eletrônica, Willy Armitage (Peter Lupus) era o braço forte e Dan Briggs (Steven Hill) o líder da equipe. As missões chegavam até Briggs em um gravador que relatava os detalhes da missão que, caso aceita, seria realizada sem apoio oficial do governo que negaria conhecimento caso tudo desse errado. Bruce Gellar se indispôs com a CBS, e depois com a Paramount que comprara o estúdio Desilu, para manter seu controle criativo. “Missão: Impossível” era um produto inteligente demais para as intenções de baixo custo e lucro imediato dos produtores de TV. As missões da equipe de Briggs tratavam de espionagem internacional, política externa e guerra fria. Cada membro agia nas sombras, de acordo com seus próprios dons, manipulando os eventos de forma que o alvo cometesse algum erro que o fizesse se entregar.

mi serie2

Leonard Nimoy, Greg Morris, Peter Graves e Peter Lupus.

            As filmagens da primeira temporada foram prejudicadas por constantes atrasos já que Steven Hill, o ator principal, era judeu ortodoxo e se recusava a filmar nos fins de semana. Em seu contrato o ator só poderia trabalhar até as 16 horas de sexta feira, e muitas das vezes o cronograma das filmagens invadia os finais de semana, até mesmo os feriados. Quando a segunda temporada foi aprovada Hill foi substituído por Peter Graves interpretando o novo líder, Jim Phelps, que ficou fixo no elenco à medida que, nas temporadas seguintes, outros agentes entravam e saíam. Greg Morris também se manteria fixo, mas disputas contratuais levaram Martin Landau e Barbara Bain (eram casados na vida real) a deixar a série na quarta temporada. Leonard Nimoy, Leslie Ann Warren, Lynda Day George, Sam Elliot, Lee Meriwether e Barbara Anderson se revezariam ao longo das temporadas (sete ao todo) que se seguiam com progressivo perda de controle por Gellar, vítima dos executivos que não se preocupavam em descaracterizar a série com roteiros que se distanciavam da visão de seu criador. Da mesma maneira que ocorrera com Gene Roddenberry em “Star Trek”, Bruce Gellar foi posto de lado jamais sendo consultado ou respeitado até que a série foi cancelada em março de 1973.

mi serie3

Phil Morris, Thaad Penghlis, Peter Graves, Jane Badler e Anthony Hamilton.

            Bruce Gellar morreu em um acidente aéreo em 1978, mas sua criação colecionava admiradores graças às constantes reprises na Tv, fora as imitações que surgiam na telinha tentando reproduzir a formula de contragolpe com a qual os agentes capturavam os vilões. Ao longo da década de 80, a Paramount tentou diversas vezes adaptar a série para o cinema, mas os roteiros eram escritos e reescritos sem se chegar a um resultado satisfatório. Em 1988, devido a uma greve dos roteiristas, a Paramount aprovou a retomada da série com novo elenco, refilmando alguns episódios e mantendo o personagem Jim Phelps, de Peter Graves, que deixava a aposentadoria para liderar uma nova equipe: Anthony Hamilton, Terry Markwell, Jane Badler, Thaad Panghlis e Phil Morris, filho do veterano Greg Morris. A retomada da série se sustentou no ar por duas temporadas mas desprovida do prestígio do passado.

             Quando o astro Tom Cruise adquiriu os direitos da série para adaptá-la ao cinema modificou um elemento essencial da série. Em vez de ações regidas em equipe, a ação ficou concentrada no personagem de Cruise, o agente Ethan Hunt, único sobrevivente de uma missão em Praga. O ator Martin Landau chegou a ser convidado a repetir o papel de Rollis Hand mas declinou quando descobriu que a equipe original seria morta logo no início do filme. A ideia permaneceu mesmo sem a participação dos atores da série, incluindo Peter Graves que ficou contrariado ao descobrir que seu personagem seria transformado em um traidor. Al Pacino, Michael Douglas e Robert Redford foram considerados para o papel de Jim Phelps, que veio a ficar com Jon Voight. A direção de “Missão: Impossível” – o filme (1996) , ficou com Brian De Palma, que anos antes havia alcançado feito impressionante ao adaptar “Os Intocáveis”, outra série de TV. O tema musical da série de Lalo Schifrin foi remixado por Larry Mullen Jr. e Adam Clayton do U2. A essência da série, no entanto, estava ausente, pois nesta o foco era maior na tensão psicológica envolvendo os agentes e seus alvos, enquanto no filme o agente Ethan Hunt monopolizava a ação. A bilheteria do filme garantiu a sequência de 2000 “Missão Impossível 2” (Mission: Impossible 2) dirigido por John Woo. Este já começa o filme mostrando Hunt se pendurando em um penhasco, cena realizada pelo próprio ator dispensando dublês, e que se tornaria marca registrada na série. A história mostra Hunt na trilha de um ex-agente que negocia a venda de um vírus mortal. O vilão Dougray Scott na época foi inicialmente escalado para o papel de Wolverine em “X Men”, mas as filmagens demoradas da nova missão de Cruise impediram Scott de ficar com o papel do herói mutante, que acabou indo para Hugh Jackman.

mi3

Jonathan Rhys Myers, Ving Rhames, Tom Cruise e Maggie Q.

         O espírito da série foi parcialmente recuperado quando J.J.Abrams assumiu a cadeira de diretor em “Missão:Impossível III” (2006). A missão de capturar um traficante de armas (o saudoso Philip Seymour Hoffman) reúne Cruise com Keri Russell, Jonathan Rhys Myers, Maggie Q e Simon Pegg. Apesar de Cruise ainda ser o centro da trama, a ação em equipe ganha mais espaço , e ainda inclui Luther Stickwell (Ving Rhames), único membro a estar presente em todos os filmes, além do próprio Cruise.

miprtfat

Paula Patton e Tom Cruise em “Protocolo Fantasma”.

         Em 2011, Brad Bird, o diretor da animação “Os Incríveis” dirige a volta de Hunt em “Missão: Impossível – Protocolo Fantasma” (Mission: Impossible – Ghost Protocol) que substitui o esperado IV por um subtítulo repetindo Rhames e Pegg na equipe, mas trazendo Paula Patton e Jeremy Renner para o time. O trabalho em equipe é ainda mais ampliado a medida que o carisma inegável de Cruise garante um resultado notável da bilheteria. O filme foi o primeiro da série filmado em IMAX, valorizando o impacto da imagem como na cena em que Cruise, dispensando dublês mais uma vez, se pendura do lado de fora de um arranha-céu de 160 andares em Dubai. O filme foi um triunfo para o público e a crítica especializada como o renomado Roger Ebert quer comparou o filme a uma “poesia do gênero”. A diversão só melhora quando chega o quinto filme, dirigido por Christopher McQuarrie “Missão: Impossível – Nação Secreta” (Mission: Impossible – Rogue Nation) que retoma outro elemento da série original: o Sindicato, uma anti IMF empenhada em formentar o caos no mundo. A equipe recebe o apoio da bela atriz sueca Rebecca Fergunson no papel de Ilsa Faust, uma agente dupla que não se resume a interesse romântico, mas se junta a Hunt para desbaratar os planos de Solomon Lane (Sean Harris), líder do Sindicato. A personagem de Fergunson impulsiona a trama graças à habilidade da atriz de se mostrar moralmente dúbia, outra característica inserida originalmente por Bruce Gellar.

minaçaosecreta

Rebecca Fergunson e Tom Cruise em “Nação Secreta”

                  A chegada do sexto filme certamente confirma que o público está bastante receptivo a novas proezas do agente Hunt. Seguindo o ritmo das sequências de resgatar elementos da série, adaptando-os aos novos tempos, podemos contar com novas aventuras, seja centrada em Hunt, ou em outro agente disposto a se pendurar em aviões, descer por cabos ou saltar em cinco, quatro, três, dois, um, … antes que essa mensagem se auto-destrua.

ESTREIAS DA SEMANA: 31 DE MAIO DE 2018

GNOMEU & JULIETA: O MISTÉRIO DO JARDIM

Gnomeu-e-Julieta-O-Mistério-do-Jardim

(SHERLOCK GNOMES) EUA 2018. DIR: JOHN STEVENSON. COM JAMES McAVOY, EMILY BLUNT, CHWIETEL EJIOFOR, JOHNNY DEPP, MICHAEL CAINE. DUBLAGEM BRASILEIRA: DANIEL MACHLINE, ERIKA MENEZES, ALEXANDRE MORENO, GUILHERME BRIGGS. ANIMAÇÃO.

O PRIMEIRO “GNOMEU & JULIETA” DE 2011 FOI MUITO DIVERTIDO, CRIATIVO AO FAZER DE GNOMOS DE JARDIM VERMELHOS E AZUIS REPRESENTAÇÕES SHAKESPEAREANAS AO SOM DE UMA TRILHA POP REPLETA DE SUCESSOS DE ELTON JOHN, TAMBÉM PRODUTOR DO LONGA ANIMADO. AGORA, VÁRIOS DE SEUS AMIGOS GNOMOS ESTÃO DESAPARECENDO E O CASAL PEDE A AJUDA DO DETETIVE SHERLOCK GNOMES (JOHNNY DEPP), QUE EM NOSSA DUBLAGEM GANHOU A EXCELENTE VOZ DE ALEXANDRE MORENO, UM DOS MELHORES DE SUA PROFISSÃO. CLARO QUE OUTROS HITS DE ELTON JOHN SÃO OUVIDOS AO LONGO DA PROJEÇÃO E SERÃO MELHOR APRECIADOS PELOS PAIS DO QUE PELAS CRIANÇAS. A MUDANÇA DE ARES PARA LONDRES E A PRESENÇA DO HOLMES GNOMO TAMBÉM FUNCIONA MELHOR PARA O PÚBLICO FIEL LEITOR DO ELEMENTAR DETETIVE DE CONAN DOYLE, ASSIM PARA ENTENDER MELHOR CERTAS PIADINHAS QUE O PÚBLICO GERAL NÃO VAI. NO FINAL, É OUVIDA A VOZ DE SHAKESPEARE, DUBLADO ORIGINALMENTE POR PATRICK STEWART (CAPITÃO PICARD DE STAR TREK E PROFESSOR XAVIER DE X MEN), MAS RECONHECER SUA VOZ FICA IMPOSSIVEL NAS CÓPIAS DUBLADAS. DE QUALQUER FORMA, É UM PROGRAMA AGRADAVEL PARA A FAMÍLIA ASSISTIR EM MEIO AO CLIMA TENSO DA GREVE QUE TEM ASSOLADO O PAÍS.

NÃO SE ACEITAM DEVOLUÇÕES

Não-se-Aceitam-Devoluções-1

BRA 2018. DIR: ANDRE RAMOS. COM LEANDRO HASSUM, LAURA RAMOS, ZEU BRITTO, MARCELA KHFOURI. COMÉDIA.

DONO DE UM QUIOSQUE EM GUARUJÁ, QUE VIVE UMA VIDA BOÊMIA, É VISITADO PELA EX-NAMORADA QUE O DEIXA COM A GUARDA DA FILHA ATÉ QUE ELE RESOLVE DEVOLVÊ-LA À MÃE. ENTÃO, ELE COMEÇA A DESPERTAR PARA O SENTIMENTO PATERNO E REPENSA TODA SUA VIDA. REFILMAGEM DO MEXICANO “NÃO ACEITAMOS DEVOLUÇÃO” (2013), QUE JÁ HAVIA GANHADO UMA REFILMAGEM FRANCESA (UMA FAMILIA DE DOIS) EM 2016 ESTRELADO POR OMAR SY. ADAPTADO PARA O HUMOR BEM BRASILEIRO COM HASSUM MAIS CONTIDO DO QUE O HABITUAL COMO FORMA DE CONDUZIR A MISTURA CERTA DE HUMOR E DRAMA.

ESTREIAS DA SEMANA: 29 DE MARÇO DE 2018

UMA DOBRA NO TEMPO

DOBRA NO TEMPO

(A WINKLE IN TIME) EUA 2018, DIR: AVA DUVERNAY. COM STORM REID, DERIC MCCABE, LEVI MILLER, REESE WINTHERSPOON, OPRAH WINFREY, MINDY KAILING, CHRIS PINE, MICHAEL PEÑA, ZACH GAILIFIANAKIS, DAVID OYELOWO. FANTASIA.

DOIS IRMÃOS (REID & MCCABE) PROCURAM PELO PAI DESAPARECIDO, UM CIENTISTA QUE INVESTIGA UMA NOVA FORMA DE VIAGEM ESPACIAL. ÀS CRIANÇAS DE JUNTAM O AMIGO ESQUISITO CALVIN (MILLER) E TRÊS MULHERES COM PODERES MÁGICOS (WINTHERSPOON, WINFREY & KAILING)

A CO-AUTORA DO ROTEIRO É JENNIFER LEE, QUE ESCREVEU AS ANIMAÇÕES “DETONA RALPH” (2012), “FROZEN” (2013) E “ZOOTOPIA” (2016), SENDO ESTE SEU PRIMEIRO TRABALHO LIVE-ACTION, TAMBÉM ASSINADO POR JEFF STOCKWELL DE “PONTE PARA TERABÍTIA” (2007) E “DISTRITO 9” (2009). OS DOIS AUTORES REALIZARAM A PRIMEIRA ADAPTAÇÃO DO ROMANCE INFANTO-JUVENIL DE MADELEINE L’ENGLE, JÁ TENDO HAVIDO UMA ADAPTAÇÃO PARA A TV EM 2003.

PARECE QUE A DISNEY MIROU EM UM FILME QUE FALASSE DE QUESTÕES BEM ATUAIS COMO O EMPODEIRAMENTO FEMININO ATRAVÉS DAS TRES BRUXAS (WINTHERSPOON, WINFREY & KAILING) E DAS QUESTÕES INTER RACIAIS, ESSAS AUSENTES NO LIVRO. O FILME CARREGA O MÉRITO DE SER O PRIMEIRO COM ORÇAMENTO DE NOVE DÍGITOS A SER DIRIGIDO POR UMA MULHER NEGRA, AVA DUVERNAY, QUE NOS TROUXE EM 2015 O ÓTIMO “SELMA – UMA LUTA PELA IGUALDADE” PROTAGONIZADO POR DAVID OYELEWO, QUE DÁ VOZ AO VILÃO DE “UMA DOBRA NO TEMPO”, UM TÍTULO CURIOSO PARA UMA HISTÓRIA QUE FALA DE VIAGEM NO ESPAÇO,.E NÃO DO TEMPO.

O FILME NÃO É REGULAR, CARREGANDO NOS CLICHÊS E SEU RITMO DEIXA A DESEJAR MAS A MENSAGEM PRETENDIDA ESTÁ LÁ: FORA COM O BULLYING E A IMPORTÂNCIA DA RELAÇÃO PAI-FILHOS, O QUE MOVE A PLATEIA COM UMA TRILHA SONORA QUE INCLUI SADE E DEMI LOVATO, EM IMAGENS FILMADAS EM LOCAÇÕES NA NOVA ZELÂNDIA. EMBORA O FILME NÃO TENHA IDO BEM NA BILHETERIA, A DIRETORA AVA DUVERNAY PARECE ESTAR SENDO SONDADA PELA WARNER PARA ASSUMIR UMA ADAPTAÇÃO DA HQ “NOVOS DEUSES” CRIADA POR JACK KIRBY. AGUARDEMOS NOVIDADES A RESPEITO.

NADA A PERDER – CONTRA TUDO E POR TODOS

NADA A PERDER

BRA 2018. DIR: ALEXANDRE AVANCINI. COM PETRONIO GONTIJO, BETH GOULART, EDUARDO GALVÃO, ANDRÉ GONÇALVES. BIOPIC.

CINEBIOGRAFIA DO PASTOR EDIR MACEDO, LÍDER DA IGREJA UNIVERSAL DE DEUS E EMPRESÁRIO MIDIÁTICO (DONO DA REDE RECORD). O ROTEIRO ADAPTA A SUA AUTOGIOGRAFIA E NÃO POUPA ADJETIVAÇÃO PARA RETRATA-LO DE FORMA IDEALISTA, QUASE QUE MESSIÂNICA. O PROTAGONISTA É MOSTRADO COMO UM PREDESTINADO QUE DESPERTA SEGUIDORES COM A MESMA INTENSIDADE QUE COLECIONA INIMIGOS.

O FILME, DIRIGIDO PELO MESMO ALEXANDRE AVANCINI QUE FEZ “OS DEZ MANDAMENTOS” PARA A EMPRESA DE MACEDO, É NITIDAMENTE VOLTADO PARA ANGARIAR NOVOS SEGUIDORES, E REAFIRMAR A FÉ COMO UMA VERDADE ABSOLUTA. SE POR UM LADO A LIBERDADE DE EXPRESSÃO JUSTIFICA VÁRIAS DAS NUANCES MOSTRADAS, POR OUTRO ESTA MESMA LIBERDADE CAREÇE DA SUSTENTAÇÃO DE UMA REFLEXÃO QUE SERVISSE COMO O OUTRO LADO DO LIVRE ARBITRIO.

COMO FILME É CONVENCIONAL, E ÓBVIO NAS SUAS INTENÇÕES SERVINDO COMO PROPAGANDA RELIGIOSA  E NADA MAIS.

JOGADOR NÚMERO UM

JOGADOR NUMERO UM.png

(READY PLAYER #1) EUA 2018. DIR: STEVEN SPIELBERG. COM TY SHERIDAN, OLIVIA COOKE, BEN MENDELSOHN,  SIMON PEGG, 

EM 2044, AS PESSOAS SE CONECTAM AO OASIS, UM MUNDO EM REALIDADE VIRTUAL CUJO CRIADOR MORRE DEIXANDO UMA FORTUNA. PARA DESCOBRÍ-LA É NECESSÁRIO PASSAR POR UMA SÉRIE DE FASES RECHEADAS DE ENIGMAS BASEADAS NA CULTURA POP DOS ANOS 80, O QUE O JOVEM WADE (SHERIDAN) DOMINA MUITO BEM.

O FILME RESGATA O PODER SPIELBERGUIANO DE CRIAR UMA FANTASIA QUE FALE PARA TODAS AS IDADES COM O GOSTINHO DAS REFERÊNCIAS AOS ANOS 80, DÉCADA DA QUAL O DIRETOR FEZ PARTE. BASEADO NO LIVRO DE ERNEST CLINE, O FILME LEMBRA UM POUCO A PREMISSA DE “A FANTÁSTICA FÁBRICA DE CHOCOLATE”, E O PRÓPRIO SPIELBERG TERIA CONVIDADO GENE WILDER (O WILLY WONKA ORIGINAL) PARA FAZER UMA PARTICIPAÇÃO, MAS ESTE DECLINOU DEVIDO AO SEU ESTADO DE SAUDE. O LIVRO DE CLINE É RECHEADO DE REFERÊNCIAS AOS FILMES DE SPIELBERG, MAS ESTE PEDIU QUE O ROTEIRO ELIMINASSE TAIS REFERÊNCIAS.

O FILME INTEIRO É COMO UMA SUCESSÃO DE EASTER EGGS, INCLUINDO “O ILUMINADO”, “DE VOLTA PARA O FUTURO”, “TOMB RAIDER” , “TRON” ETC…, O PROJETO MAIS DIFICIL DA CARREIRA DO DIRETOR DESDE “O RESGATE DO SOLDADO RYAN” NAS PALAVRAS DO PRÓPRIO.

 

 

TRAILLER: UMA DOBRA NO TEMPO / MEDO PROFUNDO

UMA DOBRA NO TEMPO (A WINKLE IN TIME)

DO QUE SE TRATA? DOIS IRMÃOS PROCURAM PELO PAI DESAPARECIDO, UM CIENTISTA PERDIDO EM UMA OUTRA DIMENSÃO. NO ELENCO TEM CHRIS PINE, OPRAH WINFREY,  REESE WINTERSPOON E GRANDE ELENCO. O FILME É PRODUÇÃO DISNEY E ESTÁ AGENDADA PARA 29 DE MARÇO.

MEDO PRODUNDO (47 METERS DOWN)

DO QUE SE TRATA ? DUAS IRMÃS FICAM PRESAS NO FUNDO DO MAR CERCADA POR VÁRIOS TUBARÕES BRANCOS, COM POUCO AR PARA RESPIRAR E ISOLADAS DO SOCORRO DA SUPERFÍCIE. GRANDE SUCESSO NOS ESTADOS UNIDOS ANO PASSADO E CHEGA AO CIRCUITO NACIONAL COM ATRASO. JÁ ESTÁ CERTO CERTO UMA SEQUÊNCIA PARA BREVE QUE SERÁ FILMADA NO BRASIL. NO ELENCO: MANDY MOORE, CLAIRE HOLT, MATTHEW MODINE. ESTREIA EM NOSSOS CINEMAS EM 8 DE MARÇO.

CLÁSSICO REVISITADO : OS 60 ANOS DE “O PLANETA PROIBIDO”

Um dos maiores clássicos da ficção científica completou esse ano 6 décadas , sendo lamentavelmente um dos menos reprisados na TV, o que afastou o grande público de uma das melhores obras do gênero. Eu assisti a esse filme cult de ficção cientifica quando eu era um adolescente, e achei impressionante a semelhança com “Star Trek”: A tripulação de uma nave espacial viajando a um planeta longínquo onde enfrenta uma ameaça que jamais imaginariam. O formato Cinemascope deu ao filme um atrativo a mais na época de seu lançamento, quando a ficção científica ainda era vista como um filme B, sem grandes pretensões da parte dos estúdios. A Metro, no entanto, investiu cerca de US$1.900,000, uma quantia alta para um filme do gênero em 1956.

planeta-proibido-poster

O cartaz original do filme na época trazia  Robby O Robô carregando a atriz Anne Francis nos braços. O impacto dessa imagem mexeu com o imaginário popular e Robby, o robô tornou-se uma celebridade na ficção científica aparecendo no cinema (Depois de “O Planeta Proibido”, o personagem apareceu ainda em “O Menino Invisivel” de 1957), e principalmente na Tv em episódios de séries como “Columbo”, “Além da Imaginação” e “Perdidos no Espaço” (sendo que esta teve Robert Kinoshita, o criador de Robby,  como responsável pela direção de arte da série de Irwin Allen).

planeta-proibido-elenco

O roteirista Cyril Hume buscou inspiração na clássica história “ A Tempestade”, considerada a última peça escrita por William Shakespeare. Nela, Próspero e Miranda habitam uma ilha remota, onde foram exilados por Antonio, irmão de Próspero, que lhe usurpara o trono de seu reino. O ex monarca atrai Antonio e os demais traidores para a ilha como forma de se vingar de todos, e devolver o trono a sua filha, a legítima herdeira. No filme, dirigido por Fred M. Wilcox, Próspero e Miranda são respectivamente o Dr.Morbius (Walter Pidgeon) e sua filha Altaira (Anne Francis), últimos sobreviventes da nave Belerofonte (nome do herói mitológico que derrotou a quimera) que chegaram há algum tempo no distante planeta Altair IV. A história do filme começa com o resgate empreendido pelo Capitão J.J.Addams (Leslie Nielsen) à bordo da nave C57D. Addams, no entanto, encontra Morbius relutante pelo resgate e obcecado em desvendar os mistérios dos Krell, a antiga civilização nativa há muito extinta, mas que deixou maravilhas tecnológicas.

forbidden_planet_image.jpeg.scaled500.jpg

Na peça do Bardo de Stratford Upon Avon Caliban é o nome do criado obediente e disforme de Próspero, que no filme torna-se Robby, uma figura mais condizente com o ano de 2200, e também mais atraente para a imaginação do grande público fascinada por robôs, e estimulada na literatura por livros como “Eu Robô” de Isaac Azimov, publicada seis anos antes de filme. Os poderes mágicos de Próspero que manipulam, criam ilusões e até invocam a tempestade do título shakespeariano, ganham no filme a forma de uma terrível e misteriosa força destrutiva que ameaça a vida de todos. Esta ganhou no filme a sustentação da teoria freudiana, segundo a qual o ser humano é movido por pulsões relacionadas ao sexo e à agressividade instintiva, inerente à nossa natureza. No filme, a bela Altaira representa o primeiro, enquanto a energia do id representa o segundo. A história faz uso das noções freudianas que retratam a formação da psique humana, dividida entre projeções de instinto e auto-controle, a dicotomia entre o intelecto superior e o ódio destrutivo que podem vitimar um individuo ou uma civilização inteira. O questionamento advindo conduz a um vislumbre dos limites de desenvolvimento científico e do freio moral a que somos submetidos.

planeta-proibido-3

Indicado para o Oscar de efeitos especiais, o filme perdeu para “Os Dez Mandamentos” , tendo sido também indicado ao Saturn Awards. Em 2013, o filme foi escolhido para ser preservado pela comissão de historiadores do National Film Preservation Board. Foi também o primeiro grande filme de estúdio a utilizar inteiramente na trilha musica eletrônica, composta por Louis Barron e Bebe Barron em apenas três meses. O sucesso de “O Planeta Proibido” veio a trazer maior respeitabilidade para a ficção científica no cinema, afastando o estigma de filme B, o que seria coroado em definitivo 12 anos depois com “2001 Uma Odisseia no Espaço” de Stanley Kubrick.

planeta-proibido-5

O diretor Fred M. Wilcox não tinha em seu currículo outros filmes do gênero, vindo de filmes da cadela Lassie. Walter Pidgeon (1897 – 1984) era ator de prestígio no cinema. Já Leslie Nielsen (1926 – 2010) começou a carreira como galã, mas ficou mundialmente conhecido com as comédias feitas na década de 80 e 90 como “Apertem os Cintos o Piloto Sumiu” e “Corra que a Polícia Vem Aí”.  Warren Stevens se tornou rosto conhecido em papeis secundários geralmente na TV e no cinema. A bela Anne Francis surgiu aqui como jovem estrela em ascenção, e na década de 60 estrelou a série “Honey West”, mas fora isso não teve carreira mais ilustre apesar da beleza. O filme vem sendo constantemente citado como possível refilmagem, o que caberia bem nas mãos de um realizador criativo como J.J.Abbrams ou Christopher Nolan. Contudo, nada foi ainda concretizado, ficando a esperança que o filme original possa ser redescoberto pela nova geração.

 

.

DIARIO DE BORDO – DATA ESTELAR 1984 : JORNADA NAS ESTRELAS À PROCURA DE SPOCK

StarTrek3poster       Poucos meses depois do sucesso de bilheteria de “A Ira de Khan”, a Paramount começou a planejar a sequência, que deveria de começar do exato ponto que o anterior terminou, ou seja, com o esquife de Spock aterrizando no recém criado planeta Genesis. Nicholas Meyer declinou do convite para voltar à cadeira da direção depois de vários problemas com Gene Roddenberry que repidava tudo que era feito com sua criação. Leonard Nimoy parecia estar fora quando alguma coisa mudou. Podemos dizer que certamente as necessidades de muitos, mais uma vez, se sobreporam às necessidades de um.

Star-Trek-3-cast

Ainda no final de 1982, de acordo com o livro “Memórias de Jornada nas Estrelas- Os Filmes” de William Shatner, executivos da Paramount contataram os membros do elenco para um terceiro filme, incluindo Leonard Nimoy. Este, movido pelo excelente resultado de “A Ira de Khan”, se entusiasmou com a ideia de continuar a história desde que pudesse ser o diretor do filme. Michael Eisner, chefão do estúdio, era contra pois equivocadamente acreditava que Nimoy nutrisse ódio pela série ou pelo papel, chegando a acreditar que a morte de Spock tivesse sido exigência contratual do ator.Após exaustivas negociações com a Paramount, Leonard Nimoy assumiu a direção tendo Harve Bennet novamente como produtor executivo e, incluindo, novos problemas com Roddenberry. Este desaprovou todo o direcionamento da história, insistindo que esta deveria usar o guardião da eternidade (do episodio “Cidade á Beira da Eternidade”) para levar Kirk e Spock aos anos 60 em uma missão que envolvia evitar ou não o assassinato de Kennedy. Essa trama girava na cabeça de Roddenberry desde os tempos que se falava de um segundo filme, mas a Paramount não estava disposta a deixar Roddenberry ter qualquer controle criativo sobre a franquia depois dos desastres envolvendo o primeiro filme. O criador de Star Trek se revoltou ainda mais quando soube que o roteiro incluía a destruição da Enterprise e a possível substituição desta pela USS Excelsior nos futuros filmes, conforme desejado por Bennet inicialmente.  Kirstie Alley foi substituída por Robin Curtis pois teria feito exigência de um salário alto demais para ser comportado pelo orçamento de US$ 17 milhões, que incluía é claro o elenco original da série.

star-trek-3-search-for-spock-nimoy-takei

Christopher Lloyd era conhecido do público norte-americano pelo seriado “Taxi” e ainda não tinha filmado “De Volta Para o Futuro” quando assumiu o papel do vilão, o Capitão Klingon Kruge que desafia Kirk para assegurar o segredo de Genesis. Lloyd decorou suas falas, incluindo as passagens faladas em Klingon desenvolvidas pelo linguista Mar Okrand. Dame Judith Anderson tinha 87 anos quando aceitou o papel da sacerdotisa Vulcana, e somente o fez porque seu sobrinho, trekkie apaixonado, insistiu para que a veterana atriz o fizesse. Esta se tornou sua última aparição em um filme.

leodirects

O filme estreou no Brasil em 5 de Outubro de 1984. A ressurreição de Spock provocada pelo efeito Genesis, o sacrifício de David, o filho de Kirk morto pelos Klingons e a tripulação da Enterprise se amotinando para resgatar seu camarada vulcano, dado como morto estão entre os elementos surpreendentes do roteiro. Um dos momentos mais lembrados é quando Sulu é confrontado por um guarda que o chama de baixinho, ou quando o heroico Kirk fica impotente diante da morte de seu filho,  ou ainda o emocionante encontro final com Spock reunido com seu espírito que estava alocado na mente de McCoy. Embora não seja no mesmo nível que “A Ira de Khan”, o terceiro filme (primeiro filme dirigido por Nimoy) tem seu lugar digno dentro da sequência que renovou o interesse do público dos anos 80 pela saga estelar que deixou marca indelével no carinho dos fâs de ficção cientifica.

EM UMA SEMANA, O BLOG VOLTA A FALAR DE “STAR TREK” TRATANDO DO QUARTO FILME, A VOLTA PARA A TERRA.

DIÁRIO DE BORDO DATA ESTELAR 1982 : JORNADA NAS ESTRELAS II A IRA DE KHAN

Três anos depois que a tripulação original da Enterprise se reuniu para enfrentar a ameaça de V’Ger, a Paramount decidiu dar sequência ainda que as dúvidas fossem muitas. O primeiro filme teve um orçamento alto demais e os lucros estavam longe do esperado levando-se em conta os gastos feitos anteriormente com o cancelado projeto “Star Trek Phase II”. Além disso os bastidores haviam sido atribulados com constantes desentendimentos com Gene Roddenberry e a as duras críticas feitas ao filme por seu tom solene demais e premissa não só pretensiosa  como filosofica demais. Mudanças precisavam ser feitas e foram :

Star-Trek-II-The-Wrath-of-Khan-theatrical-poster.jpg

O orçamento ficou restrito a apenas US$ 11 milhões e Gene Roddenberry foi removido de sua posição de produtor executivo, ficando como consultor criativo, o que na prática significou que todas as decisões seriam tomadas ignorando Roddenberry. A posição de produtor ficou com Harve Bennet, vindo da Tv onde realizou “O Homem de Seis Milhões de Dólares” e “A Mulhet Biônica”. Bennet, que nunca havia visto a série original assistiu a todos os 79 episódios a procura de um ponto de partida para um roteiro que trouxesse de volta todo o esplendor de Jornada nas Estrelas. O episodio escolhido era “Semente do Espaço” (Space Seed) que trazia o antagonista perfeito para os heróis, o super humano engendrado geneticamente Khan Noonian Sing, interpretado por Ricardo Montalban. Khan havia sido exilado em um planeta inóspito ao final de Semente do Espaço e teria todos os motivos para odiar Kirk e buscar sua vinagança. O roteiro era apenas uma colcha de retalhos que incluia a morte de Spock, condição que trouxe Leonard Nimoy de volta depois de declarar que não queria voltar ao personagem. Foi quando chegou Nicholas Meyer, diretor e roteirista que se encarregou de enxugar as diversas ideias e driblar as interferências de Gene Roddenberry, que não concordava com nada.

Star-Trek-2-The-Wrath-Of-Khan-24-BTS

NOS BASTIDORES RICARDO MOLTANBAN É CONFRONTADO COM O ROBÔ TATOO, PIADINHA COM O SERIADO “A ILHA DA FANTASIA” ESTRELADO PELO ATOR NA ÉPOCA.

Segundo o livro “Memorias de Star Trek – Os Filmes” de William Shatner , Roddenberry repudiava a abordagem militarista da Frota Estelar, ainda que Nicholas Meyer concordasse em retratar esta como uma Marinha futurista evocando o personagem Horatio Hornblower da literatura de C.S.Forrester. Ainda segundo o livro teria sido Roddeberry a deixar vazar a noticia da morte de Spock irritando os fãs que se mobilizavam contra o filme. Inicialmente a cena da morte ocorreria no inicio do filme assim como em “Psicose” (1960). Meyer conseguiu ludibriar a todos mostrando a morte de Spock na sequência de abertura como parte do simulador Kobayashi Maru. Ao final do filme o sacrifício de Spock ganharia dramaticidade inesperada e tocante com William Shatner e Leonard Nimoy separados por uma parede de vidro e encarando a mortalidade indesejada, totalmente em sintonia com o roteiro desenvolvido para que lendas encarassem o envelhecimento e o fim de tudo que é mais caro.

A Morte de Spock 1

A NECESSIDADE DE MUITOS SE SOBREPOE À NECESSIDADE DE POUCOS OU DE UM.

Foi esse o tom assumido pelo roteiro, incorporar o envelhecimento dos personagens e confrontá-los com a brevidade da vida. Kirk seria nesse sentido o foco de tudo, além de travar com Khan um acirrado jogo de gato e rato que remete inclusive ao episodio “Equilibrio de Poder” (Balance of Power) da série clássica. Embora Khan e Kirk não tenham um embate físico (a principio haveria, mas as limitações de orçamento a removeu do roteiro), sua luta é envolvente e enervante causando danos extremos à Enterprise e sua tripulação. As falas de Khan remetem à Moby Dick seja através do paralelo Ahab / Khan ou das falas do vilão ao final que parafraseam a obra de Herman Melville. A persoangem da tenente Saavik ficou com a estreante Kirstie Alley cuja personagem foi imaginada como uma substituta para Spock, e a princípio previa-se que ela se envolveria com David (Merrit Butrick), o filho de Kirk cuja presença reinforça o sentimento do personagem diante da passagem de tempo.

khan morre

CUSPO EM TI MEU ÚLTIMO SOPRO DE VIDA

O filme seria sub entitulado “A Terra Desconhecida”, mas a Paramount decidiu rebatizar o filme como “A Vingança de Khan”, contrariando a vontade de Nicholas Meyer. Na época, inclusive, George Lucas preparava o episodio VI de Star Wars anunciado como “A Vingança de Jedi”. No final das contas, Lucas rebatizou seu filme de “O retorno de Jedi” e a Paramount trocou o sub título de Star Trek para “A Ira de Khan”.  O epilogo do filme com Kirk observando o recem formado planeta Genesis onde pousa o caixão de Spock foi acrescentado depois da exibição teste do filme assim como o momento em que Spock transfere seu katra para a mente do Dr.McCoy como um gatilho a ser explorado em um terceiro filme.

saavik

O resultado foi extremamente satisfatorio, superando o primeiro filme e conquistando tanto crítica quanto público, sendo o filme mais rentavel da franquia até seu reboot por J.J.Abbrahms em 2008. Este reimaginou “A Ira de Khan” quando fez “Star Trek Alem da Escuridão” (Star Trek Into Darkness) em  2010 com Benedict Cumberbatch repetindo o papel feito magistralmente por Ricardo Montalban. Certamente que tanto sucesso asseguraria a continuidade da franquia e a certeza de que o espaço continuaria sendo a fronteira final.

DAQUI A ALGUNS DIAS CONFIRAM AQUI NO BLOG ARTIGO SOBRE “JORNADA NAS ESTRELAS 3 À PROCURA DE SPOCK”.

DIÁRIO DE BORDO DATA ESTELAR 1979: JORNADA NAS ESTRELAS O FILME

cartaz filme 1.jpg

CARTAZ ORIGINAL DO FILME

Nos anos 60 “Star Trek” foi a primeira série de TV a mostra um beijo inter-racial (Kirk e Uhura no episódio “ Plato’s stepchildren”), retratou os problemas de sua época (movimento hippie, Vietnã etc.. ) através de parábolas e ousou com uma tripulação multi-etnica em pleno período de guerra fria. Dez anos depois uma nova missão trouxe de volta os personagens criando um verdadeiro fenômeno na mídia.

Durante a década de 70 as constantes reprises de “Star Trek”, que época era chamada no Brasil por sua tradução literal “Jornada nas Estrelas” e uma versão em animação renovou o interesse do público pela série. Esta só teve uma terceira temporada devido à chuva de cartas dos fãs aos escritórios da NBC que foi um fato inesperado e histórico sem prescedentes. A Paramount chegou a planejar uma segunda série que seria entitulada “Star Trek Phase II” como carro-chefe do novo canal de TV que inaugurariam. Embora Leonard Nimoy tivesse se negado a voltar, o projeto teve cenários aprontados e roteiros escritos com a adição de novos personagens: o vulcano Xon (David Gautreaux), o comandante Decker (Stephen Collins) e a alienígena Ilia (Persis Kambatha). Com o sucesso de “Star Wars” em 1977, a Paramount cancelou todos os seus planos de decidiu adaptar “Star Trek” para o cinema com produção executiva do próprio Gene Roddenberry, direção de Robert Wise (O Dia que a Terra Parou) e efeitos especiais a cargo dos especialistas Douglas Trumbull e John Dysktra. O roteiro que recebera os nomes de “In Thy Image” e “The God Thing” levaria a Enterprise a uma busca por Deus, uma premissa ousada e que refletia o pensamento de seu criador. Gene Roddenberry usava a ficção científica como ferramenta para tratar de assuntos sérios e repudiava o clima de fantasia de “Star Wars”. Recentemente foi divulgado que originalmente o roteiro previa uma luta entre Kirk e um alienígena que assumiria a aparência de Jesus Cristo. A Paramount repudiou a ideia e contratou Robert Livingstone para reescrever o roteiro de Roddenberry de forma a criar mais ação e suavizar o conteúdo filosófico e metafísico da história.

strekmotionpic

Unindo elementos dos episódios “The Changeling” e “The Doomsday Machine” chegaram ao filme que trouxe Kirk promovido a almirante e uma Enterprise reformada sob o comando do Capitão Decker (Collins), sugerido como filho do Comodoro Matthew Decker do episodio “The Doomsday Machine”. Nessa altura, Wise conseguiu garantir a volta de Leonard Nimoy com um acordo entre o ator e a Paramount. A atriz indiana Persis Kambatha precisou raspar a cabeça para o papel de Ilia, o que fez a atriz pedir um seguro ao estúdio caso seus cabelos não crescessem de novo. Sua personagem ficou sendo uma mulher do passado de Decker e assumindo ao posto de navegadora da nave. A ameaça enfrentada é a de V’ger, uma entidade vinda de um outro universo que aparece sob a forma de uma imensa nuvem que destrói sistemas estelares inteiro por onde passa. O tempo todo havia um clima de conflito nos bastidores do filme já que Roddenberry discutia o tempo todo com Livingstone precisando que Leonard Nimoy mediasse as rusgas.

kirk mccoy filme 1

O orçamento de US$ 35 milhões foi o mais alto de sua época e, claro, a Paramount se preocupava com o retorno de seu investimento já que a história havia se tornado complexa demais, com pretensões comparáveis ao clássico “2001 Uma Odisseia no Espaço”.  Sua estreia em 1979 (no Brasil só estreou em Janeiro de 1980) abriu em cerca de 857 salas nos Estados Unidos. Fãs celebravam sua volta em grande estilo embalados pelo magnífico tema de Jerry Goldsmith que substituiu a clássica trilha de Alexander Courage. O sucesso do filme levou a mais cinco filmes que iremos aqui no blog a comentar de agora até a data de estreia de “Star Trek Sem Fronteiras”. Vejamos algumas curiosidades do primeiro filme :

ilia e deckerTRIVIA.

1) A atriz Persis Kambatha ficou temporariamente cega na cena que é abduzida por V’Ger já que o excesso de iluminação que criou a sonda de V’Ger incindiu diretamente sobre seus olhos.

2) Os uniformes modificados foram rejeitados pelo elenco que para a sequência exigiram que fossem novamente modificados.

3) A cena final em que Decker e Ilia se fundem a V’Ger gerou um dado não oficial para os cânones dos filmes, mas explorados nos livros. Essa fusão gerou os Borgs conforme sugerido em “A Volta do capitão Kirk”, livro escrito pelo próprio William Shatner.

4) O ator Mark Lenard que na série interpretou Sarek, o pai de Spock, é um dos Klingons atacados por V’Ger no começo do filme.

5) A língua falada pelos Klingons foi criada pelo ator James Doorhan (o Scott) e ganhou sintaxe e até um dicionário desenvolvido pelo linguista Marc Okrand.

6) Gene Roddenberry gostou tanto do tema musical de Jerry Goldsmith que o utilizou como tema da série “Jornada nas Estrelas A Nova Geração” anos depois.

7) Apesar de ter o personagem Xon retirado da história, seu ator David Gautreaux aparece no filme como o Comandante Branch.

8) Bjo Trimble que é a co autora da carta enviada a NBC nos anos 60, que garantiu a terceira temporada da serie, aparece como membro da tripulação da Enterprise, jutamente com outros trekkies convidados como extras na cena em que o Almirante Kirk anuncia a nova missão.

DIÁRIO DE BORDO DATA ESTELAR 1966 : STAR TREK A SÉRIE ORIGINAL

De agora até a estreia de “Star Trek Sem Fronteiras” vamos a cada semana rever o que foi “Jornada nas estrelas” desde sua estreia na Tv até hoje passando pelos seis filmes de cinema com a tripulação que nos fez sonhar que a humanidade pode ser um dia melhor do que já foi.

star trek orriginal crew.jpg

Descobri “Star Trek” aos 12 anos, na época exibida pela Tv Bandeirantes (Hoje Band). Foi meu primo quem me convenceu a embarcar na nave estelar Enterprise embalado pelo tema de  Alexander Courage ouvido quando o narrador anunciava “O Espaço a fronteira final…”. Minha tela de TV movida a válvulas me teleportava aos confins do espaço acompanhando audaciosamente as viagens capitaniadas por Kirk, Spock e McCoy, à frente de uma tripulação multi-etnica cujo compromisso é o conhecimento adquirido onde nenhum homem jamais esteve. Me identificava com o heroísmo de Kirk, a humanidade de McCoy e o conflito interno de um personagem mestiço, metade humano e metade alienígena, Sr.Spock. Além da eficiente caracterização dos personagens, a série impressionava pela inventividade dos roteiros que driblavam a rígida censura de uma época marcada pela guerra fria, pela luta pelos direitos civis, por conflitos nas ruas, mas sobretudo pela corrida espacial. O homem voltava seus olhos para cima imaginando o que existiria além de nosso mundo. Em 8 de Setembro de 1966, quando a série estreou, ela passou a nos mostrar que a raça humana poderia deixar de lados suas diferenças mesquinhas e concentrar seus esforços em mútua colaboração. Essa pretensão de significar algo mais do que apresentar o monstro da semana era o diferencial entre a criação de Gene Roddenberry e os demais produtos da TV que eram exibidos a cada semana.

star trek original chess

EPISODIO PILOTO : ONDE NENHUM HOMEM JAMAIS ESTEVE

Foram três temporadas com colaboradores ilustres como Gene Coon, D.C Fontana e Harlan Ellison que souberam como criar parábolas dessa dura realidade e compensar com criatividade o orçamento apertado da NBC. Assim o episódio “A Private Little War” discutia a validade ideológica de um conflito armado, “A Taste of Armageddon” alertava a respeito de uma humanidade que permitia que máquinas determinassem seu destino, “The Doomsday Machine” assustava com a possibilidade de se criar uma arma de destruição de massa definitiva, “Let there be your last battlefield” discutia as diferenças étnicas e o racismo levado a últimas consequências. O papel de “Star Trek” era tão envolvente que o próprio Martin Luther King a assistia e convenceu a atriz Nichelle Nichols, a Uhura, a fazer parte do elenco. Muitas das vezes a ação permitia discussões filosóficas como a natureza do bem e do mal (The Enemie Within), o papel corruptor do poder (Patterns of force) ou a moralidade de mudar a história  (o icônico episódio “City on the edge of forever).

star trek city on the edge

EPISODIO : CIDADE À BEIRA DA ETERNIDADE – WILLIAM SHATNER COM JOAN COLLINS

Em um mundo bipolarizado, as viagens da tripulação da Enterprise eram esperança e alerta do que poderíamos realizar discutindo a condição humana. William Shatner, Leonard Nimoy, DeForest Kelley, James Doohan, George Takie, Nichelle Nichols, Walter Koening e Majel Barret certamente não desconfiavam que seu trabalho de ator os levaria audaciosamente a se tornarem símbolos dessa audácia. As falas de seus personagens tinham o efeito de torpedos fotônicos e phasers no imaginário popular e mesmo depois de 78 episódios, a série teve sequência em quadrinhos da GoldKey (No Brasil, a Ebal e a Abril publicaram HQs da série), além da animação da Filmation hoje considerada rara e que prosseguia com a missão original da série. Esta mexeu com todas as áreas: sociológica, religiosa, filosófica, até a igreja católica se sentiu incomodada com o alienígena de orelhas pontudas que, ainda que não demonstrando emoções, foi o que maior apelo teve com o público.

star trek space seed.jpg

EPISODIO : SEMENTE DO ESPAÇO COM RICARDO MONTALBAN, O VILÃO KHAN

A série entrou para o Livro Guiness de Records, criou uma legião de fans que entre anônimos no mundo inclui celebridades como o físico Stephen Hawkings, fora a inegável influência para desenvolvimento de uma ciência mais avançada: Embora não possamos nos teleportar ainda, o celular que usamos é o comunicador portátil e até o tricorder já se mostrou viável. A cultura pop incorporou esse universo utópico e hoje cinquenta anos depois nos mostra que o futuro poderá certamente ser melhor se ousarmos como Gene Roddenberry fez, a ir onde nenhum homem jamais esteve.