NETFLIX: BIRD BOX – ÀS CEGAS

Faz algumas semanas que assisti a “Bird Box” e devo dizer que aos meus olhos, sem querer fazer piadinha, é um filme bem regular mas nada tão genial quanto se fez parecer depois do burburinho pela internet. Entendam: A história, adaptada do livro de Josh Malerman, tem seus momentos em cena e consegue ser de fato angustiante conforme acompanhamos a jornada de Malorie (Sandra Bullock), relutante em sua maternidade e progressivamente transformada pelas circunstâncias trágicas de uma insanidade global provocada por estranhos seres. O confronto de personalidades dos sobreviventes presos em uma casa traz a tona sentimentos e reações com as quais podemos nos identificar, principalmente Malorie.

A decisão de conduzir o telespectador sem jamais revelar o visual das criaturas é seu ponto forte, mas em dado momento acaba sendo previsível e frustrando as expectativas, até mesmo porque nada é explicado. De onde vem as criaturas ? Por que elas estão aqui ? Por que estão exterminando a raça humana de forma tão impiedosa ? Essas e outras perguntas ficam sem resposta, eficientes metáforas para o terror pretendido mas decepcionantes artifícios da narrativa à medida que a história segue deixando, para o cinéfilo atento, pistas de qual será o destino dos personagens. A sequência do rio também prende a atenção no terço final da história, mas confesso que duas mortes mexeram mais comigo, mas se eu mencionasse ficaria spoiler para quem ainda não viu o filme e está lendo o artigo.

A diretora dinamarquesa Susanne Bier, de 58 anos, mostra-se competente na condução dos atores, sempre deixando Sandra Bullock brilhar como a heroína Malorie, que descobre em uma realidade pós-apocalíptica um instinto materno que não acreditava ter. Ambas jã foram oscarizadas, Bier em 2011 com o prêmio de melhor filme estrangeiro por “Haeven”, e Sandra com o prêmio de melhor atriz em 2010 por “Um Sonho Possivel”. O sempre excelente John Malkovich também está no elenco mas muito no automático se comparado a outros papeis vivido pelo ator.

É inevitável comparar a narrativa de “Bird Box” com a história de “Um Lugar Silencioso” (2018) onde sobreviventes se escondiam de criaturas guiadas pelo som. Contudo, os filmes guardam características próprias que também os diferençia. “Um Lugar Silencioso” é centrado em torno de uma familia unida oprimida pelo fim do mundo, enquanto “Bird Box” reconstrói uma noção perdida de maternidade e o sentimento de familia renasce a partir e apesar do fim do mundo. Ambos tratam de esperança diante do fim aparentemente inevitável da raça humana, mas John Krazinski de “Um Lugar Silencioso” é mais eficiente em fazer do silêncio uma ferramenta em prol da atmosfera de suspense. Susanne Bier envereda pelo mesmo caminho de “Alien o oitavo passageiro” (1979) de Ridley Scott e “Tubarão” (1976) de Steven Spielberg. Ela esconde o visual das criaturas, segundo divulgado para evitar risos involuntários que comprometeriam o resultado. A cena em que um dos monstros aparece chegou a ser filmada, mas cortada na montagem final.

De qualquer forma, o filme consegue ser regular, mas não me imprimiu o efeito que , por exemplo, Hithcock conseguiu em “Os pássaros”, tratando de tema semelhante. Claro, que você que lê esse artigo pode desconsiderar todas as comparações, e se fixar apenas em um filme competente, que isso sim é digno de elogio desde que lembremos que devemos deixar o filme na tela e não cair nas idiotices dos desafios propostos por quem se propõe a sair por ai de olhos vendados, conforme divulgado em vários sites de noticia. Para isso, não se esqueça que viver no mundo real já significa estar de olhos vendados, cercados de monstros que não vem do espaço mas são reflexos de nossa própria humanidade.