MEMÓRIAS DE UM CINÉFILO : A REVISTA CINEMIN

Cinemin Capas I

Entre novembro de 1982 e outubro de 1993 circulou no Rio de Janeiro a melhor revista sobre cinema desse país. Em suas páginas aprendi tanto que esse período, durante o qual fui fiel leitor dela, foi como se eu tivesse um curso superior completo de artes cinematográficas. Foi meu primo quem me apresentou a revista Cinemin, edição nº9 de Abril de 1984. No centro da capa o anuncio de “No Limite da Realidade”, filme em que Steven Spielberg, John Landis, Joe Dante e George Miller retomavam a clássica série de Tv “Além da Imaginação” (The Twilight Zone), criada por Rod Serling e que eu adorava assistir. Como o título em Português era diferente, não tinha percebido que era uma adaptação. Foi a Cinemin que me informou não apenas disso como também apontando quais episódios estariam refilmados. Na época, com 13 anos e tendo a TV como babá, eu descobria também quem tinha sido a atriz Frances Farmer, como tinha sido a vida do astro Gary Cooper e do maior dos intérpretes de Tarzan (herói de minha infância), o ator Johnny Weissmuller, que havia falecido no México em Janeiro daquele ano. As páginas da Cinemin eram bastante diversificadas equilibrando o amor pelo passado clássico da sétima arte com as atualidades da época. Lembrando que na época não existia internet, redes sociais ou programas de TV por assinatura que hoje colocam a informação ao alcance da palma de nossas mãos. Assim sendo, a Cinemin também informava sobre os lançamentos de “O Dia Seguinte”, polêmico na época ao falar de uma catástrofe nuclear e o divertido “Jogos de Guerra” que apresentava ao público o talentoso Matthew Broderick.

cinemin 9

A CINEMIN NASCE & RENASCE. Na verdade a Cinemin, que conheci então, era a 5ª série publicada pela editora Ebal, do saudoso Adolfo Aizen. A revista começou a ser editada em Novembro de 1951 trazendo a quadrinização de grandes filmes, tendo sido a primeira o musical “Quando fala o coração” com Jane Powell e Ricardo Montalban. Essa série teve 100 edições mensais em formato americano, publicada em uma média de 36 páginas em preto e branco. Em fevereiro de 1960 a revista zerou sua numeração e seguiu por mais 35 edições, sendo que até o número 24 era mensal e a partir daí até o fim permaneceu bimestral. Em Janeiro de 1964, a terceira série da Cinemin recomeçou com regularidade mensal, mas com um formato estranho, comprido, difícil de manusear sem rasgar as páginas, o que desagradou ao público leitor. Logo, a partir do numero 7 datado de Julho de 1964, a Ebal retornou ao formato americano. Outra mudança nessa fase foi que ocasionalmente, em vez de trazer a quadrinização de clássicos do cinema, trouxe em suas páginas a versão em HQ de episódios da popular série “Além da Imaginação”. 24 edições depois a revista foi descontinuada, e só foi brevemente retomada em Março de 1975 por 5 edições mensais coloridas que publicou as HQ humorísticas de Francis, a mula falante, licenciadas da editora americana Dell Comics. Curiosamente, a capa estampava que esta era a 3ª série demonstrando que os editores da Ebal se confundiram com a numeração.

cinemin 1ª serie

A REVISTA DA SÉTIMA ARTE. A revista Cinemin que eu conheci, trocou as versões em quadrinhos por um trabalho jornalístico sério voltado para a divulgação do cinema contemporâneo e capitaneado pelo jornalista e crítico de cinema Fernando Albagli, que trabalhara durante um bom tempo no Jornal do Brasil. A primeira edição dessa nova encarnação da revista Cinemin chegou às bancas em Novembro de 1982, anunciada como “a revista da sétima arte”. Foi o ano em que o Brasil perdeu a copa da Espanha, a Inglaterra venceu a Argentina na guerra das Malvinas e o nosso país açoitado por dívidas com o FMI vivia a primeira eleição direta para governador marcando o início de uma redemocratização. Para mim, em plena adolescência alimentada por filmes na TV e nos cinemas,  o mais importante era ter contato com todo um universo que me encantava.

Fernando Albagli, a alma da Cinemin

Fernando Albagli, a alma da Cinemin

A principio, a revista oscilava entre uma periodicidade ora bimestral ora trimestral até maio de 1985 (edição número 14 trazendo Fred Astaire & Ginger Rogers na capa) quando passou a mensal, ainda que eventualmente motivos de força maior a fazia pular um mês, mas voltando sempre a regularidade de mês a mês. Cinemin foi pioneira em seu trabalho, teve concorrentes na sua área de atuação, mas nenhuma que fizesse um trabalho tão bem feito informando, divulgando, fazendo história já que a Cinemin testemunhou o nascimento do mercado de home-video com a chegada do vídeo-cassete, que levou a magia do cinema para uma nova geração. Fernando Albagli editava a revista com a paixão impressa em cada página e acompanhada de um time de ouro que dividia com ele o mesmo amor : Antonio Carlos Gomes de Mattos (que eu já conhecia da revista “Amigão”, encarte da Amiga Tv Tudo que tratava de cinema e TV) , João Lepiane,  Luiz Saulo Adami, Gil Araujo, Salvyano Cavalcanti entre outros.

cinemin fantastic

POR DENTRO DA REVISTA.  Eu devorava a “Galeria das Estrelas” que mês a mês trazia a vida dos artistas que pertenciam ao meu panteão de admiração e adoração : James Stewart, Spencer Tracy, Cary Grant, Barbara Stanwyck, Greta Garbo, Tyrone Power, Ingrid Bergman e muitos outros. Para mim, era como se eu estivesse temporariamente transportado para Hollywood, visitando a calçada da fama. Outra seção que eu adorava era “Isto não é fita… é fato” que trazia diversas curiosidades sobre os bastidores dos filmes e sobre as personalidades (atores, diretores e produtores) fora dos holofotes. A revista jamais ficava restrita a um único assunto, sendo assim além de Hollywood, a Cinemin falou de Neo Realismo, Novelle Vague, festivais nacionais (Riocine, mostra São Paulo, festival de Brasilia), expressionismo alemão, coadjuvantes notáveis, os seriados do cinema, enfim a lista é grande. Várias entrevistas foram publicadas e o Gil Araújo fazia uma ponte entre o leitor e a revista respondendo tudo o que perguntassem. Lembro de alguns artigos que considero os melhores (e olha que a escolha é difícil) : Os maiores espadachins das telas, os grandes seriados da TV, Hitchcock & Stewart : A essência do suspense, os maiores cowboys das telas, galeria do horror etc.. Ocasionalmente, a Ebal também publicou a edição especial “Cinemin Fantastic” centrada no universo dos filmes de terror e ficção científica (outro pioneirismo imitado depois por outras editoras). A primeira edição trazia uma painel da ficção cientifica no cinema e a melhor reportagem sobre os filmes de 007 até o último então que marcava a despedida de Roger Moore.

cinemin hithc

O FIM. Uma vez que a Cinemin reverenciava o passado sem nunca virar as costas para o presente ou o futuro, por volta do número 63 ou 64, quando a revista voltou a circular bimestralmente,  começou uma série de artigos entitulada “Stars 90” falando da carreira de Julia Roberts, Demi Moore entre outros talentos que despontavam nas telas. Lamentavelmente, a revista deixou de circular depois da edição 86, datada de outubro de 1993, depois de cerca de 70 mil exemplares vendidos sem ter o luxo de anunciantes que patrocinassem a revista, um feito e tanto no mercado editorial brasileiro. Tenho várias, mas sucessivas mudanças de endereço e empréstimo a algumas pessoas diminuíram meu acervo. Frequentemente releio minhas Cinemins e o que encontro nela, site nenhum ou livro nenhum consegue se igualar. Saudades ficaram e a esperança de que um dia uma publicação (real ou virtual) consiga fazer pela nova geração de cinéfilos o que a Cinemin soube fazer pela minha, pois o show deve continuar. Obrigado, Fernando Albagli e equipe ! Obrigado Adolfo Aizen !

Anúncios

6 comentários em “MEMÓRIAS DE UM CINÉFILO : A REVISTA CINEMIN

  1. A Cinemin também causou esse mesmo impacto em mim, e mesmo hoje não encontramos uma revista impressa com comparável qualidade.

    O nome do meu blog, Cineminweb (www.cineminweb.com.br), é uma homenagem à turma de Fernando Albagli.

  2. Foi com essa maravilhosa revista que aprendi muito sobre cinema. Sinto saudades desses bons tempos ! Excelente matéria, gratidão!

  3. Possuo todas as edições da última etapa (86 revistas) todas devidamente encadernadas com capa dura e tal. Adorava elas. Muito boa mesmo.

  4. Eu também adorava CINEMIM.O primeiro número que comprei, trazia o ET (do filme de Spielberg) na capa.Tinha quase todos os números.Foi uma pena que deixou de existir.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s